Um surpreendente protagonista – Moisés
21 de dezembro de 2016
Categoria: Entrevistas

Foto: Divulgação/Ag. Palmeiras.

Em meio aos inúmeros reforços do alviverde paulista para o ano de 2016, um meia com passagem pela Portuguesa chegava da Croácia. Muitos depositavam nele a expectativa de brigar pela função de 10, no entanto, ele ainda era um dos menos badalados do elenco. O tempo foi passando e ele foi encontrando seu espaço. Agora, com a temporada encerrada e o título de Campeão Brasileiro na conta, Moisés já é um dos grandes nomes do país e, com toda a certeza, uma das peças mais importantes do Palmeiras eneacampeão brasileiro. Batemos um papo sobre a carreira e o momento atual do meia (ou volante, como preferir). Confira:

1 – Quando algum jogador retorna de um tempo fora do país, muito se fala do tal período de readaptação. Você chegou da Croácia e rapidamente já era das peças mais importantes do Palmeiras. Como conseguiu se habituar tão rápido? O futebol na Croácia se assemelha com o daqui? 

O Futebol da Croácia é mais tático, diferentemente do que temos aqui no Brasil. Aqui é mais corrido. Muita marcação, muito pegado. Eu me readaptei bem. Tive dificuldades no início. Fiz uma boa pré temporada, mas acabei machucando e perdendo a Libertadores e boa parte do Paulista. Depois as coisas se acertaram e, Graças a Deus, correu tudo bem para conseguirmos nosso principal objetivo.

2 – Falando da sua passagem pela Europa, o quão importante foi esse período por lá para seu desenvolvimento profissional? Hoje você de destaca muito pela inteligência tática, isso se deve ao que encontrou e aprendeu fora do Brasil? 

Sim sim, meu aprendizado lá na Croácia foi muito grande. Aprendi muito em termos de disciplina tática e evolui muito como jogador, de uma geral, acredito que isso me fez tornar um jogador mais completo.

No Rijeka, da Croácia, Moisés aprendeu muito como jogador.



3 – Antes de sair do país, rodou por vários clubes dos mais diversos estados. Essa constante troca que muitos enfrentam atrapalha demais no trabalho? O quão difícil é não ter continuidade em um clube? Durante todas essas mudanças, sempre teve a companhia da família? 

A família é e sempre foi importante em todos os momentos da minha vida. Em todas as decisões que tomei tive o apoio deles. Tive algumas oportunidades em várias equipes, mas períodos curtos. De qualquer maneira em todas as passagens tive aprendizados que levo para a minha carreira. Acredito que a continuidade é tudo, mas no futebol tudo é muito dinâmico.

4 – No começo da temporada, muitos diziam que você podia preencher a lacuna de 10 do alviverde, disputando posição com Cleiton Xavier. No entanto, sua função em campo se mostrou completamente diferente durante o ano. Você veio ao Palmeiras com uma posição definida? Sabia que iria atuar como atuou? 

Não vim com uma posição definida, vim para ser campeão. Foi isso que o Mattos me disse quando me contratou. “Você quer ser campeão?” E Graças a Deus, deu tudo certo. Conseguimos nosso objetivo e pude ajudar de várias maneiras, seja como primeiro volante, ou como segundo, ou até mesmo como armador.

5 – Apesar das inúmeras críticas, o Palmeiras é merecidamente Campeão Brasileiro e você está na seleção do campeonato. Qual o segredo do grupo? O que você apontaria como maior qualidade da sua equipe em 2016? 

O segredo do grupo é trabalho. Grupo muito dedicado e focado nos objetivos.

6 – Como bom mineiro, você chegou quietinho e aos poucos ganhou seu espaço e importância no grupo palmeirense. Já pensa em chegar assim também na seleção? Imaginou que as coisas fossem acontecer tão rápido na sua vida? 

Foi um ano de superação e um ano de que vários frutos foram colhidos. Seleção do campeonato, campeão, outros prêmios individuais, como Bola de Prata, TV Gazeta. Sem dúvida foi um ano muito importante na minha carreira. O sonho de todo jogador é chegar a seleção e comigo não é diferente. Vou continuar trabalhando forte para conseguir alcançar mais esse objetivo.

Já na sua primeira temporada, inúmeras premiações e seleção do campeonato. Convocação em breve? Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press



7 – Você sempre se mostra muito lúcido em entrevistas que dá falando sobre futebol num geral. Acompanha outras ligas? Já pensa em seguir carreira depois de parar? 

Ainda tenho muito lenha para queimar (risos). Não penso em parar, penso em evoluir e seguir melhorando a cada dia, a cada temporada. Sempre que posso acompanho vários jogos, série B, futebol internacional, futebol croata, etc.

8 – Pensando agora no Moisés criança, que tinha o sonho de jogar futebol. Quem foi sua grande inspiração? Sempre quis ser meia? E atualmente, quem te chama mais atenção? 

Minha inspiração sempre foi minha família e continua sendo (meus pais, meu irmão e hoje minha esposa e filhos), mas tem alguns jogadores que sempre gostei de ver jogar e aprender algumas coisas como Zidane, Ronaldo Fenômeno e hoje quem mais gosto de assistir é o Iniesta.

9 – Quanto as suas cobranças de lateral, como “descobriu” essa virtude? Acha que sem o Cuca na temporada que vem, vocês deviam seguir apostando nesse tipo de jogada? 

Foi num jogo contra o São Paulo, no primeiro turno do Brasileiro. Eu acabei cobrando um lateral e foi na área, no dia seguinte o Cuca me chamou e perguntou se eu conseguia fazer. Foi uma jogada que deu resultado, mas aí fica a critério do novo treinador.

Nas cobranças laterais do meia o Palmeiras encontrou uma grande arma em busca do título de 2016.



10 – O Gabriel Jesus foi um dos grandes nomes da conquista de vocês e está saindo rumo a Europa, como você já fez. Ele chegou a te pedir algum conselho, referência. Como você vê ele em relação a essa mudança? Crê que ele esteja pronto? 

Falei com ele algumas coisas, é um menino muito centrado e bom de cabeça. Tenho certeza que o Gabriel irá bem, não por estar pronto, mas por ser um menino que quer sempre aprender. É humilde e trabalha sempre no máximo e isso os europeus valorizam bastante.

11 – Agora o espaço é seu. Agradecemos a sua disponibilidade e pedimos que deixe uma mensagem para os palmeirenses e todos os nossos leitores. Um grande abraço!

Queria agradecer ao torcedor por todo o apoio que foi dado não só a mim, mas para todos os atletas. Gostaria de dizer também que o time virá mais forte na próxima temporada. E Gostaria de agradecer a vocês pela oportunidade.

Avatar
Postado por Andrew Sousa Formado em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus 23 anos.