Quase um ano lesionado desde que chegou ao PSG: o que acontece com Neymar?
17 de outubro de 2019
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Internacional

 

Neymar está fora por um mês. No ultimo domingo, no jogo Brasil x Nigéria, o craque do PSG e da Seleção Brasileira sentiu um desconforto na coxa esquerda pouco antes dos dez minutos de jogo. Depois da partida, o médico Rodrigo Lasmar disse que a lesão não preocupava muito, mas ainda na segunda-feira, o PSG divulgou que a ressonância feita no atleta indicou uma contusão mais grave que o esperado.

De acordo com os franceses, foi uma “lesão grau dois do bíceps femoral isquiose-tibial esquerdo”, que tira o jogador dos gramados por quatro semanas.  Somando todas as lesões que ele sofreu no time parisiense, são 52 jogos perdidos, sem contar os próximos que ele vai perder e os da Seleção Brasileira.

Por si só, esses números já tem seu destaque e impacto tanto na mídia quanto nos interessados na carreira de Neymar. Porém, se for adicionado alguns contextos e fatos ocorridos nos últimos tempos, a situação do atleta merece atenção especial.

Se considerarmos que na sua carreira no Brasil Neymar possuía um histórico de lesões praticamente nulo, na Europa o cenário é completamente inverso. Desde que chegou ao Barcelona, na temporada 13/14, o craque de 27 anos acumula 23 contusões, sendo desde um jogo fora até 18. Os machucados influenciaram diretamente em seu rendimento em algumas temporadas, como a do início de 2014, que o tirou de combate por 10 jogos e 32 dias.

Claro que essa mudança no quadro de contusões tem muito a ver com a disparidade do jogo que é jogado aqui comparado ao da Europa. E isso talvez explique completamente as lesões ocorridas no inicio da sua passagem pelo velho continente. Inclusive, após ele se firmar no Barça, ganhar UCL e Campeonato Espanhol, seu índice de lesões se estabilizou bastante. De acordo com o site transfermarkt.com, entre 2015 e 2018, ele só perdeu 10 jogos por questões físicas.

O que chama bastante a atenção é que desde que chegou ao PSG, ele acumula lesões graves, sendo três com mais de dois meses de afastamento dos gramados. Em números totais, já são 323 dias perdidos pelo craque no PSG, sem considerar o próximo período de afastamento que ele terá de cumprir devido a essa nova lesão, além disso, muitos atribuem a sua decepcionante atuação na Copa do Mundo de 2018 à sua condição física, já que a lesão no pé aconteceu logo antes do Mundial.

No PSG, lesões mais graves viraram rotina para Neymar

Outro fato bastante preocupante é que as contusões vem acontecendo por diferentes partes do corpo do atleta. Tornozelo, metatarso e agora coxa. Estaria o estresse causado pelas recentes polêmicas do craque prejudicando fisicamente o rendimento do Camisa 10? De acordo com a psicóloga Rute Cardoso Carvalho em seu artigo “Aspectos Psicológicos das Lesões Esportivas: Prevenção e Tratamento”, o estresse “parece ser o fator mais predominante na predisposição de um atleta a uma lesão”.

Seja o episódio com a Najila, seja a sua iminente vontade de voltar a Espanha, os casos polêmicos de seu pai e até a sua postura fora de campo, motivos não faltam para o desenvolvimento de um quadro estressante na vida da estrela brasileira.

O que nos resta é questionar se esse vai ser o legado de um dos jogadores mais promissores da história: Polêmicas, lesões e vida conturbada. Neymar vai entrar para a lista dos jogadores que poderiam ter sido mais ou sua carreira realmente vai encontrar um ponto de virada?

Postado por Igor Varejano 19 anos. Estudante de Jornalismo. Do interior de São Paulo, morando em Minas. Vivo em ódio por amar o Palmeiras e o Liverpool. Futebol é o que move a humanidade. Bom, pelo menos a minha. twitter.com/varejanoiu