Parabéns, baixinho
30 de janeiro de 2016
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Nacional e Seleções

Quanto mais exposta a defesa, mais faminto o atacante. Ele quer se isolar na artilharia, aproveitar o momento compatível com sua sede de gol.

Ao ser entrevistado deixa de lado o desempenho individual e realça o valor da vitória, exalta o conjunto. Errado? Não. Mas abusa. Até por isso o saudosismo vive na ponta da língua. Sempre tem alguém na espreita do depoimento óbvio a fim de abraçar o descaso e colocar em prática as declarações de fulano ou as firulas do zé ninguém.

Desenterrar o jogador problemático é observar o reflexo dos ídolos de infância. Reviver o personagem marcante. Sobretudo, descrever Romário.

Naturalmente singular. Diante de linhas desordenadas, relaxava. Parecia desinteressado. Discreto porque sabia que o objetivo maior era questão de tempo. Como no confronto contra o Steaua Bucaresti, esquadrão que ensaiava as cinzas daquele que havia sido o melhor time da história do Leste Europeu.

Durante a primeira etapa distribuíram panfletos de “procura-se o Baixinho”. Mas como bom protagonista fez do ultimo ato a consagração do espetáculo – hat-trick perfeito com direito a gol de placa.

Só seu jeitão provocador não seria capaz de manter seu legado, nem só de área encheu a barriga. Com ela congestionada despertava uma de suas melhores versões – recuar para receber nas costas dos volantes e acelerar a jogada. Nada de ficar sossegado enquanto esperava o ultimo passe. A semifinal da Copa de 94 é a exibição quase perfeita disso.

Decisivo, decisivo e decisivo. Da meia dúzia de bolas alçadas por Jorginho, a única que veio em sua direção resultou na classificação brasileira para uma final de Copa do Mundo depois de 24 anos. Motivo máximo para o orgulho do carioca. Meio século que representa o ápice dos 450 anos do Rio de Janeiro. Parabéns, seu senador.

Texto de Lucas Nemézio
Avatar
Postado por Andrew Sousa Formado em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus 23 anos.