Paixão inusitada e desmedida – João Vitor Roberge
26 de outubro de 2017
Categoria: Entrevistas

 

 

Você acompanha algum campeonato alternativo ao redor do mundo? Conhece alguém que faça isso com afinco? E alguém que, de tanto gostar do campeonato daquele país, aprendeu a falar o idioma, viajou para o país para produzir um documentário, e de quebra ainda escreveu um livro sobre a viagem? Pois é, João Vitor Roberge, um catarinense apaixonado pelo futebol romeno, fez isso, e conversou com a gente para contar um pouco sobre essa sua aventura pelo país europeu, onde gravou o documentário que serviu como seu TCC no curso de jornalismo da UFSC. O documentário chama-se “Craiova versus Craiova”, e encontra-se no canal “O Craiovano” no YouTube. O Craiovano, que aliás, é o site mantido por João que fala exclusivamente sobre o futebol romeno. E o livro chama-se “Fotbal – aventuras, tristezas e alegrias romenas”, e é encontrado na Estante Virtual, no sebo Ilha das Letras, no site da Editora Multifoco e na página O Craiovano no Facebook.

Segundo ele, sua paixão pelo futebol da terra de Hagi começou quando tinha apenas 12 anos, quando um amigo escolheu o Universitatea Craiova para comandar no Football Manager. A partir daí, começou a pesquisar sobre o time da cidade de Craiova, que se licenciou alguns anos depois. Quando entrou no curso de jornalismo, já tinha em mente que gostaria de fazer seu TCC sobre a equipe da Romênia. Porém, em 2013, o Universitatea Craiova reabriu “em dobro”. De um lado, o FC Universitatea, e do outro o CS Universitatea, e criou-se a confusão com os dois lados querendo ser o verdadeiro e ter a história do clube.

O antigo time levava o nome de CS Universitatea Craiova, e foi o primeiro clube da Romênia a chegar à fase de quartas de final da Liga dos Campeões (em 1982) e às semifinais da Copa da Uefa (em 1983). Além disso, possui títulos da Liga e da Copa da Romênia, portanto é uma rica história. Depois de um tempo, acabou se tornando FC Universitatea Craiova e passando da iniciativa pública para a privada. Porém, no início dessa década o presidente do clube se envolveu em confusões, recebeu punições que rebaixaram o time e o governo da cidade decidiu reabrir o CS Universitatea. Desde então, há esse imbróglio para saber qual é o “verdadeiro”. Com as punições e a falta de verba, o FCU se licenciou, enquanto o CSU está voltando a fazer boas campanhas no futebol local. Para entender melhor toda essa confusão, é altamente recomendado assistir o documentário feito por ele.

Ele diz que, antes de viajar para a Romênia estava certo de que o FCU era o legítimo, enquanto o CSU era uma farsa mal-intencionada. Porém, quando ele chegou lá, teve uma visão diferente e atualmente não “detesta” mais nenhum lado. E como hoje em dia apenas o CSU está na elite, ele mantem sua torcida pelo clube de Craiova, assistindo todos os jogos da mesma maneira que fazia quando o FCU era o representante.

Atualmente, o FCU voltou às atividades, e está disputando a quarta divisão local, mas continua com muitas dificuldades financeiras, apesar de contar com a torcida de uma parte da cidade. João, porém, prefere não fazer nenhuma aposta para o que pode acontecer nos próximos anos:

“Cravar alguma coisa sobre o futuro do futebol de lá seria irresponsável, e uma prova de que eu não aprendi nada, pois no futebol romeno acontece de tudo”.

O catarinense, que é torcedor do Vasco, diz que acompanha também outros campeonatos ao redor do mundo, mas nada aprofundado como é com o futebol romeno. Por morar em Florianópolis, também tem uma simpatia pelo Figueirense, mas não se considera um torcedor do clube. Obviamente, para viajar para a Romênia, ele teve que aprender o idioma, e segundo ele, demorou por volta de dois anos para dominar a língua, e o melhor (e que torna o fato ainda mais curioso e difícil): não usou nenhum material didático e nem teve auxílio de professores! Conta também que teve dificuldades nos primeiros dias em que esteve no país, mas depois de duas semanas já estava bem habituado e até hoje segue aprendendo.

Como não poderia deixar de ser, passou por várias situações inusitadas no país do leste europeu. Aqui ele cita algumas delas:

“Fui em programas de entrevistas em TV e rádio, estive em matérias de TV, minhas sacolas de compras se arrebentaram no meio da rua, tomei porres de Țuică (uma cachaça deles), bebi cerveja vendida em garrafa PET 2,5L, achei que tinha ficado preso no elevador, mas era só abrir a porta… Não paguei o bonde no caminho para o jogo da seleção… enfim teve muita coisa (risos)”

Ele diz que a cidade de Craiova é uma cidade esportiva, no geral. No início dos anos 90, foi inclusive considerada a capital do esporte no país, pois o Universitatea ganhava tudo que disputava: futebol masculino, feminino, vôlei, etc. E completa dizendo que nunca viu de perto uma relação tão forte de um clube com uma cidade, como é por lá.

Para realizar as entrevistas, ele tinha que ficar ligado em todos os detalhes, desde a iluminação, passando por ângulo de câmera, áudio, e ainda conduzir a conversa em romeno, pois não possuía nenhum intérprete ou auxiliar. E conseguiu entrevistar nomes muito interessantes, como o atual presidente do FCU, o maior jogador da história do clube (Ilie Balaci), o brasileiro Madson, que passou pelo clube, além de importantes jornalistas do país. Ele cita que, apesar de uma certa dificuldade para conseguir marcar as entrevistas, todos foram muito acessíveis, até os ídolos do clube, e compara com a realidade brasileira:

“Aqui no Brasil, eu teria um trabalho gigantesco para conseguir entrevistar qualquer jogador da elite, enquanto lá eu consegui falar até com os maiores ídolos da história de um grande clube”

João entrevistou Ilie Balaci, maior ídolo da história do Universitatea (Foto: Arquivo pessoal)

Para mostrar que a paixão pelo país é realmente muito grande, ele comenta que tem vontade de voltar para lá e abordar outras histórias do futebol local, ou até para trabalhar com jornalismo esportivo:

“Se eu tivesse recebido uma proposta, teria ficado por lá. Sonho em trabalhar lá, vivendo dois, três, cinco anos que seja. Mas se não ocorrer, pretendo voltar para entrevistar mais pessoas, contar mais histórias…”

Falando em entrevistar mais pessoas, João também conseguiu entrevistar simplesmente o maior nome da história do futebol romeno, Gheorghe Hagi. Esta entrevista não está no documentário, mas se encontra também no canal dele no YouTube, e no livro ele conta com detalhes como conseguiu a entrevista com o craque. Foi um momento que, sem dúvida, marcou a vida do jornalista e que segundo o próprio, causou uma sensação de “zerar a Romênia”.

Para finalizar, João deixou um recado para quem quiser acompanhar o trabalho dele:

“Agradeço o espaço e o interesse pelo meu trabalho. Apenas lembrando que o meu livro Fotbal – aventuras, tristezas e alegrias romenas já está à venda na internet, e os canais d’O Craiovano estão ativos, tanto no site, quanto no YouTube e no Facebook, contando tudo sobre o futebol romeno. Grande abraço!”

Avatar
Postado por Leonardo Tudela Del Mastre Natural de Sorocaba-SP, amante do futebol do interior paulista e torcedor de São Bento e Corinthians. Além do amor pelo interior, viciado no futebol como um todo. Formado em Processos Gerenciais pelo IFRS.