MODÃO CAIPIRA #53 – Entrevista com Marcelo Cordeiro
5 de setembro de 2017
Categoria: Modão Caipira

 

Hoje o Modão Caipira está diferente, pois, pela primeira vez, entrevistamos um importante jogador de uma equipe do interior paulista. Conversamos com o lateral esquerdo Marcelo Cordeiro, jogador muito experiente com passagens por Botafogo, Internacional e Portuguesa, e que atualmente defende as cores do São Bento, na Série C.

Recentemente o atleta completou 50 partidas com a camisa do clube, onde chegou para disputar o Campeonato Paulista da Série A1 de 2015. Desde então, disputou três vezes a elite do futebol estadual, mas neste ano, pela primeira vez, continuou no clube após o primeiro semestre. A decisão parece acertada, afinal, vem se destacando como um dos principais garçons da terceira divisão nacional e um dos mais importantes jogadores da equipe sorocabana na competição.

“Sem dúvida eu fiquei muito feliz por atingir essa marca de 50 jogos, uma marca expressiva para um clube do interior, que não tem um calendário tão grande como as outras equipes. Fazer parte dessa reconstrução do clube é muito importante. É muito bom estar no clube e espero permanecer aqui ainda por muito tempo”, disse.

Além disso, Cordeiro falou mais sobre a reconstrução do São Bento, citando alguns dos pontos que ele considera primordiais para esse ressurgimento do orgulho do torcedor sorocabano:

“O que eu acho importante para ter conseguido esse crescimento é, primeiro, a seriedade da diretoria que cumpre com as suas obrigações, então aqui o que é prometido é cumprido. Desde que eu cheguei aqui, nunca tivemos nenhum dia de salário atrasado. Além disso, trouxeram uma comissão técnica que conhecia muito o futebol paulista, acostumada a montar grupos fortes e nesse período eles conseguiram trazer jogadores com o perfil que eles queriam e que entenderam a necessidade do clube. Então essa integração da diretoria com a comissão técnica, principalmente na montagem do grupo, escolher os jogadores certos, acho que isso é fundamental para esse crescimento, e que continue assim

Marcelo considera que a passagem que teve pelo Atlético Sorocaba, clube que atualmente está licenciado das atividades profissionais, foi a que alavancou sua carreira. Em 2008, disputando a Série A2 do Campeonato Paulista, ele foi o vice-artilheiro da competição onde foi comandado por Paulo Roberto Santos, treinador que voltou a encontrar no São Bento. Na época, acabou não conquistando o acesso, mas como reconhecimento de sua grande atuação foi contratado pelo Vitória para disputar a Série A do Brasileirão. A passagem pelo Vitória também foi marcante para Cordeiro, que fez cinco gols no seu primeiro Campeonato Brasileiro da elite.

O lateral também teve boas atuações pelo Botafogo, em 2010, e pela Portuguesa, no ano seguinte. Pela Lusa, foi campeão brasileiro da Série B, numa campanha memorável, onde teve o melhor ataque e a melhor defesa da competição. Na ocasião, Marcelo fez quatro gols. Pelo Glorioso, foi campeão carioca de 2010, sendo eleito o melhor lateral do campeonato. Ele diz que a semifinal da Taça Guanabara daquele ano foi o jogo mais marcante da sua carreira:

“Com relação a jogo marcante, acredito que tenha sido pelo Botafogo, contra o Flamengo, na semifinal do Carioca, onde perdíamos por 1 a 0. Eu fiz o gol de empate, depois viramos e vencemos por 2 a 1. O Flamengo era favorito, tinha Adriano, Vagner Love, um time muito forte, e nós acabamos ganhando aquele jogo, fomos campeões do primeiro turno e depois campeões cariocas direto”

O lateral viveu um de seus melhores momentos na carreira com a camisa do Botafogo.

Mas Cordeiro também rodou pelo interior de São Paulo, jogando por vários clubes na carreira. Um dos que ele destaca é o Rio Claro, onde começou sua caminhada pelo estado, ao sair do Vasco em 2003 onde passou por todas as categorias de base. Foi no Galo Azul que trabalhou com Paulo Roberto pela primeira vez. Depois de ter encontrado o professor em mais alguns clubes, foi convidado por ele para trabalhar no São Bento, em 2015, e não mede palavras para elogiar o treinador:

É um cara muito competente, o currículo dele fala por si só, principalmente no interior de São Paulo onde ele já conquistou acessos e títulos por vários clubes, então é um cara vencedor. Acho que o principal dele é o caráter, é um cara que é muito coreto nas suas coisas, com ele o jogador que está melhor vai jogar e isso ele deixa bem claro nas palavras e nas atitudes também, então talvez esse seja o grande motivo do sucesso dos grupos que ele trabalha. Ele consegue ter uma liderança muito grande sobre o grupo, é um cara fácil de entender a maneira que ele quer que o time jogue, então não é a toa que a gente está a três anos sendo as melhores defesas dos campeonatos que a gente disputa. E também espero poder ajuda-lo nesses trabalhos, sempre que ele solicitar a minha presença nos grupos que ele trabalhar eu vou estar disposto porque eu sei que onde ele trabalha, a chance de ter sucesso é muito grande”

Paulo Roberto Santos vem fazendo grande trabalho no São Bento

Marcelo teve como espelho os laterais Serginho (que fez carreira no Milan) e Júnior (campeão mundial com o Flamengo), principalmente pela grande qualidade técnica e capacidade ofensiva dos dois. Além disso, considera a sua qualidade em bolas paradas como um grande diferencial:

“Sobre a bola parada, eu sempre gostei muito de treinar, às vezes a bola parada pode decidir a partida, então eu trato isso como um diferencial também. Um jogador que tem uma boa bola parada, que faz gols de falta e de pênalti pode ter um destaque nesse meio tão competitivo”

Falando sobre o futebol do interior, a essência do Modão Caipira, ele disse que é muito gratificante jogar o Campeonato Paulista, pois dificilmente encontra um estádio vazio, os moradores das cidades realmente abraçam seus clubes. Citou, além da torcida do São Bento, as torcidas dos dois clubes campineiros, a do XV de Jaú e a do Botafogo de Ribeirão Preto, como algumas das cidades mais legais de se jogar. Ainda comentou sobre a possibilidade de mais clubes do interior brigarem nas divisões maiores do campeonato nacional:

“Eu tenho certeza que quanto mais os clubes se profissionalizarem, fornecerem estrutura para os jogadores, a tendência é que daqui uns anos o interior paulista possa estar com quatro, cinco ou até seis equipes na Série B do Brasileirão e quem sabe até uma ou duas disputando a Série A. Acho que isso é bem possível devido ao grande trabalho que é feito aqui em São Paulo”

Sobre seu futuro, disse que não tem uma data certa para parar de jogar, mesmo estando com 36 anos ainda se sente muito bem dentro de campo e enquanto continuar assim, vai seguir jogando. Apesar disso, ele tem uma certeza: a de que vai permanecer trabalhando com futebol depois que pendurar as chuteiras. A ideia inicial era de ser treinador, mas também não descarta ser gestor de futebol ou até empresário. O atleta se formou em Educação Física no ano de 2006 e aconselha aos jogadores mais novos seguirem o mesmo caminho:

O principal conselho que eu daria para um jogador jovem hoje é que não pare de estudar. A carreira de jogador de futebol é curta e não é certeza de sucesso. Mesmo que o jovem se torne jogador, não quer dizer que o futebol vai deixa-lo rico a ponto de não precisar trabalhar depois, então o estudo é importante não só pós-carreira, mas durante a carreira também, para que ele possa fazer um contrato, saiba lidar com as situações que envolvem a carreira de jogador. E também, que ele trabalhe todos os dias como se fosse o último dia de treino dele, porque não adianta nada você ir para o treino e não fazer o seu melhor, porque vai perder um dia de trabalho, então que dê sempre o melhor, procure evoluir tanto tecnicamente quanto taticamente, procure ouvir atentamente tudo que os professores ensinam, e se dedique muito, porque é uma carreira que exige muita dedicação, você tem que abrir mão de muitas coisas”

Foto: Jesus Vicente / EC São Bento

O assunto que mexeu com o interior paulista nas últimas semanas foi o W.O. do Mogi Mirim em jogo pela Série C. Os jogadores se recusaram a entrar em campo depois de ficarem vários meses sem receber e de ouvirem falsas promessas da diretoria do clube. Marcelo, no mesmo final de semana, marcou um gol na vitória do São Bento sobre o Botafogo/SP, e na saída de campo dedicou o resultado aos jogadores do Sapão, numa atitude louvável.

“Eu acabei ficando sabendo pela imprensa, a gente já sabia das dificuldades, mas eu fiquei sabendo no dia do jogo que eles não tinham entrado. Liguei para um amigo que estava lá e ele me disse que tinham tido várias promessas não cumpridas, tinham jogadores ali que já estavam há muito tempo sem receber e todos têm conta para pagar. Daí eu falei com esse meu amigo que acabou saindo depois de todo esse episódio e disse para ele que tudo que ele precisasse ele poderia contar com os atletas do São Bento, porque isso é um problema que atinge muitos clubes brasileiros, principalmente clubes menores, e isso não deveria existir já que a gente pensa tanto em profissionalização do futebol, fala tanto em voltar a ser o país do futebol e vê num Campeonato Brasileiro da Série C uma situação como essa. Tenho certeza que se não fosse feito o protesto da maneira que eles fizeram, nem o mês que eles receberam agora eles teriam recebido, então infelizmente essa é a realidade do futebol brasileiro”

Por fim, o experiente lateral agradeceu ao carinho de todos que o acompanham e mandou um recado aos torcedores são-bentistas, que esperam comemorar mais um acesso.

“Queria agradecer a oportunidade de falar com o 4-3-3, agradecer os amigos que torcem por mim, que acompanham minha carreira, torcem pelo meu sucesso e vibram a cada conquista minha, pessoal e coletiva. Aos torcedores do São Bento, agradecer por todo o carinho que têm por mim, dizer que eu sou muito feliz aqui e ter o apoio deles é fundamental para esse sucesso. Que a gente posa junto conquistar esse acesso para a Série B. Eu tenho certeza que vai acrescentar muito para a minha carreira, para a cidade de Sorocaba e para o torcedor do Azulão. Um abraço!”

Postado por Leonardo Tudela Del Mastre Natural de Sorocaba-SP, amante do futebol do interior paulista e torcedor de São Bento e Corinthians. Além do amor pelo interior, viciado no futebol como um todo. Formado em Processos Gerenciais pelo IFRS.