MODÃO CAIPIRA #43 – A veterana de Franca
18 de agosto de 2016
Categoria: 4-3-3 e Modão Caipira

A Associação Atlética Francana é mais um clube tradicional
do interior paulista que não vive bons momentos nos últimos anos. Com 103 anos
de história, fundada em 12 de outubro de 1912, já disputou até o Campeonato
Brasileiro de Futebol, em 1979, porém hoje em dia se encontra licenciada do
futebol profissional, pois não obteve verbas para disputar o Campeonato
Paulista da Segunda Divisão deste ano. Tem como mascote a Feiticeira, um tanto
quanto exótico.

No início do Século XX, foi criado o clube de futebol da
cidade de Franca. Permaneceu disputando campeonatos amadores até 1947, e no ano
seguinte disputou a Divisão de Acesso da FPF, seu primeiro torneio de nível
profissional. Nesta época, passou pelos gramados de Franca aquele que é
considerado até hoje o maior ídolo do clube: Tonho Rosa. Natural da cidade,
Tonho era um grande atacante e foi muito importante na evolução da equipe
esmeraldina. Outro fato que ocorreu na década de 50, que é interessante salientar:
o campeoníssimo Hélio Rubens, famoso jogador e treinador de basquete, já jogou
profissionalmente pela Francana, no ano de 1957. Mas por falta de garantias em
sua carreira de jogador de futebol, acabou optando pelo basquete, esporte muito
praticado em Franca. Até 1976, disputou a divisão inferior, sem nunca conseguir
o acesso. Mas ele veio em 77. Com uma vitória por 2×0 sobre o Araçatuba, no
Estádio José Lancha Filho, o famoso Lanchão, em Franca, a Veterana conquistou o
título da Série A2, que na época era chamada de Divisão Intermediária.
O fato mais curioso deste título foi o prefeito da cidade de
Franca, Maurício Sandoval Ribeiro, ter decretado feriado municipal no dia
seguinte à conquista, para que a cidade pudesse comemorar a conquista com mais
tranquilidade. Isso demonstra o quanto a cidade abraçava o clube naquela época.
Naquele 4 de dezembro de 1977, 19500 pessoas estavam no Lanchão para
testemunhar este feito inesquecível da equipe esmeraldina. Os gols do título
foram marcados por Zé Antônio e Antenor. Aquele time contava com grandes nomes
do futebol brasileiro, como Geninho (ex-goleiro e atualmente técnico do ABC-RN)
e Assis (ídolo do Fluminense). Time-base da conquista: Geninho; Gasparzinho,
Boca, Zé Mauro e Eraldo; Renê, Zé Antônio e Marinho; Antenor, Assis e Delei.
O Lanchão é o estádio que a Francana costumava lotar (Foto: Estadão) 
Dois anos depois, a Francana disputava seu primeiro e único
Campeonato Brasileiro da Série A. Já entrou direto na segunda fase, como todos
os times paulistas. No Grupo A, ficou na quarta posição, atrás de Coritiba,
Atlético-MG e Campinense, mas a frente de América-RJ, Brasil-RS, Colorado
(atualmente Paraná Clube) e Mixto-MT, tendo uma campanha satisfatória para os
planos da diretoria, com três vitórias, um empate e três derrotas.
Permaneceu na elite do estadual até 1982, quando acabou
sendo rebaixado para o segundo nível do futebol paulista. No período em que
esteve na Série A1, conseguiu vitórias históricas, contra o São Paulo no
Pacaembu em 1978 (2×0), contra o Corinthians, no mesmo Pacaembu um ano depois
(1×0) e contra o Santos na Vila Belmiro em 1982 (3×1).
Depois de rodar entre Série A2 e Série A3 por vários anos,
em 1996 a Veterana fez boa campanha no terceiro nível do estadual e conseguiu
voltar para a divisão que equivale a segunda melhor do estado, sendo
vice-campeã. No ano seguinte, com boa campanha na A2, conquistou vaga para a
Série C do Brasileiro.
No nacional, fez uma campanha muito boa, chegando até o
quadrangular final, numa competição que foi disputada por 64 equipes, e ficando
a apenas um ponto do acesso. Juventus da Mooca e Sampaio Corrêa ficaram a
frente da equipe esmeraldina naquela ocasião, que poderia ter mudado
drasticamente o futuro do clube tão querido pela população de Franca.
Equipe de 97 que chegou muito perto da Série B do Brasileiro (Foto: GCN)
2002: foi vice-campeão da Série A2, mas o regulamento
daquele ano previa uma repescagem entre o segundo colocado da A2 contra o
penúltimo da A1, que foi a Portuguesa Santista. Após dois empates por 2×2, a
Briosa conseguiu se manter na elite ao vencer nos pênaltis, frustrando
novamente os planos da Francana de voltar para o primeiro nível do futebol
estadual. O atacante Tico Mineiro foi o artilheiro daquele campeonato, sendo o
principal destaque da Veterana.
Em 2005 foi rebaixada para a Série A3 novamente, e desde
então vinha fazendo campanhas de meio de tabela. Até que em 2015, fez uma
campanha péssima e foi rebaixada, e na lanterna. A crise chegou a seu estopim,
e não foi possível aguentar mais um ano na terceira divisão.
Para piorar, a equipe não conseguiu se estruturar neste ano,
e acabou se licenciando do futebol profissional em 2016, abrindo mão da vaga na
Segunda Divisão (quarto nível estadual). Aos poucos, o clube está passando por
mudanças e a expectativa é que em 2017 retome as atividades e volte com tudo,
buscando retomar seu lugar entre os principais times do estado, para voltar a
dar alegrias para o povo francano!
Postado por Leonardo Tudela Del Mastre Natural de Sorocaba-SP, amante do futebol do interior paulista e torcedor de São Bento e Corinthians. Além do amor pelo interior, viciado no futebol como um todo. Formado em Processos Gerenciais pelo IFRS.