Longe dos Holofotes #03 – Carlinhos Jr
9 de julho de 2016

Desde criança, o carioca Carlinhos Junior tinha como único brinquedo uma bola de futebol. Nada de bonecos ou carrinhos, para o garoto, aquela era sua melhor amiga. Era seu maior passatempo, o divertia e proporcionava um enorme prazer, como faz com milhares de crianças pelo país. Porém, o esporte aos poucos foi deixando de ser uma brincadeira e conforme cresceu, as oportunidades foram aparecendo, ao mesmo tempo em que tinha o apoio de sua família. Em 2008, chegava na base do São Paulo, por onde ficou até o ano seguinte, quando rumou para o Coritiba, e integrou as categorias de base do Paraná. A partir daí, algumas dificuldades apareceram, mas o segredo do jogador foi se manter focado, sabendo exatamente o que quer.

“No São Paulo tudo correu muito bem porque a estrutura de lá é de primeiro mundo. Já no Paraná eu tive algumas dificuldades. Porém, acho que eu sempre fui um jovem focado naquilo que faço. Procuro fazer o meu trabalho da melhor forma possível, independente das adversidades. Desde o começo eu já sabia o que eu queria. Eu sabia que não ia ser nada fácil, como tudo na vida. Então, eu sempre tentei superar as dificuldades, evoluindo, melhorando o que tinha que melhorar, e assim consegui o meu grande objetivo profissional, que era ser um jogador profissional.”

No clube paranaense, foram quatro anos até sua estreia profissional, em 2013. Apesar de novo, sua adaptação a cidade e ao clube se deram de maneira muito rápida, e o carioca logo se sentiu em casa. A boa estrutura do clube também ajudou e o meia conseguiu boas temporadas defendendo a camisa do Paraná. Pelo clube, um de seus momentos mais marcantes foi um golaço marcado contra o Operário, em 2015, que chegou a ser pedido na premiação do Puskas por uma televisão local.

“Então, foi um gol muito bonito contra o Operário, pelo Campeonato Paranaense. Eu fui muito feliz na jogada. Consegui fazer aquilo que achei melhor no curto momento que tive para executar a jogada. Eu considero como um dos gols mais bonitos que eu já fiz na carreira. Repercutiu bastante também com os fãs, bem como dentro do clube (foi o gol de número 900 do Paraná Clube em estaduais). A emissora local de Curitiba me perguntou também se eu merecia o prêmio Puskas. Não cheguei a ser candidato ao prêmio, mas, eu acho que deveria ter sido analisado com carinho (risos). Na realidade, não fico muito preocupado com isso. Mas, guardo sim com carinho aquele momento.”


Vídeo do Globoesporte.com

Depois de dois bons anos em Curitiba, no começo de 2016 Carlinhos resolveu ir para o Nordeste. O destino: o Botafogo, da Paraíba. Mais uma vez o garoto teria de se adaptar a um novo clima e ambiente, porém, de novo tudo aconteceu muito rápido. O calor não incomodou e não demorou muito para que a torcida o respeitasse. Tudo ficou ainda mais fácil por mais um gol importante marcado pelo jogador. Dessa vez, nada de golaço digno de Puskas, algo maior para o seu time. Carlinhos fez o único tento contra o River, do Piauí, em partida válida pela segunda fase da competição. Até aí tudo bem, não fosse a classificação inédita do Botafogo para a terceira fase da Copa Nacional. O gol é um dos mais importantes da história do clube.

“Foi uma grande alegria poder ajudar os meus companheiros. Mas não fiz isso sozinho. Tive a ajuda da minha equipe! No jogo de ida havíamos vencido também pelo placar de 1 a 0. Independente dos gols envolvidos nessas duas partidas da segunda fase, cada um teve a sua parcela de contribuição dentro de campo. Se tratando da torcida, todos comemoraram muito também! O clube nunca tinha passado para terceira fase da Copa do Brasil. Então todos que fazem parte do Botafogo-PB vibraram muito.”

Além da histórica campanha no torneio nacional, o clube de Carlinhos vem muito bem na série C do Campeonato Brasileiro. O time paraibano está na vice-liderança do seu grupo e tem grandes chances de chegar à segunda divisão no ano que vem. Para isso, o jogador prega calma, estudo jogo a jogo e muita dedicação do elenco para alcançar este objetivo.

Mas, se garantir o acesso à série B é seu objetivo de momento, a longo prazo os planos são bem mais ambiciosos. Com um estilo de jogo de velocidade e habilidade pelos lados do campo, Carlinhos, que admira grandes nomes do passado e dos dias de hoje como Ronaldinho, Ronaldo, Romário, Neymar e Cristiano Ronaldo, sonha em ir para a Europa.

“Eu sonho com isso, mas não fico ansioso. Sei do meu valor dentro de campo, mas certamente irei continuar trabalhando sério para fazer um bom trabalho no meu atual clube. Creio que as melhores ligas são a Premier League, da Inglaterra, a Bundesliga, da Alemanha, e a Liga Espanhola. São ligas que eu admiro pelo futebol que é jogado, mas sei também da força de outras ligas. Na Europa, muitos clubes de qualidade também estão em ligas inferiores.”

Apesar do pouco tempo de clube, passagem de Carlinhos Jr já é marcante no Botafogo.

Hoje com 21 anos, Carlinhos já tem muitas histórias para contar. É só mais um dos tantos brasileiros que lutam dia após dia, desde muito novos, por um lugar ao sol. Mesmo longe dos holofotes, o meia sonha alto e trabalha dia após dia para conquistar seus objetivos. O carioca que se sentiu em casa em Curitiba e hoje na Paraíba, sente-se bem, acima de tudo, com uma bola nos pés.

“Eu queria agradecer pelo carinho que eu costumo receber dos meus fãs, amigos e familiares. Pelas pessoas que me acompanham e que gostam de mim. Gostaria de agradecer também aqueles que não me conhecem muito bem ainda, mas que estão me acompanhando agora. É sempre uma satisfação poder dar uma alegria para todos que te valorizam como pessoa e profissional. Grande abraço a todos! Gostaria de agradecer também a equipe do Blog 4-3-3, pela oportunidade de estar revelando algumas coisas que ajudarão às pessoas a me conhecerem um pouco melhor.”

Avatar
Postado por Andrew Sousa Formado em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus 23 anos.