Guia 4-3-3 do Brasileirão 2018 – Sport
14 de abril de 2017

 

O Sport Club do Recife disputará pela quadragésima vez o Campeonato Brasileiro da primeira divisão, sendo detentor de um título da competição em 1987 e indo para a sua quinta participação seguida, feito inédito para o futebol nordestino desde o início da era dos pontos corridos. No entanto, apesar de estar atingindo uma marca positiva, o Leão, que fez sua última boa campanha no nacional em 2015, vem de duas temporadas instáveis consecutivas, brigando contra o rebaixamento até a última rodada em ambas. E em 2018, o cenário na Ilha do Retiro continua não sendo dos melhores.

Mesmo após problemas financeiros serem revelados na atual gestão, os leoninos iniciaram o Campeonato Pernambucano com franco favoritismo. No entanto, decepcionaram, sendo eliminados pelo Central nas semifinais e se contentando com o terceiro lugar. Decepção ainda maior aconteceu na Copa do Brasil, com a eliminação diante do Ferroviário-CE, onde os pernambucanos protagonizaram um dos maiores vexames de sua história, abrindo 3×0 e levando o empate dentro de 11 minutos, perdendo nos pênaltis em seguida. Tamanha a crise, o já pressionado presidente Arnaldo Barros optou por se desfazer da antiga diretoria e convidar Guilherme Beltrão, velho conhecido da torcida, para assumir a vice-presidência de futebol. Os Rubro-negros só demonstraram um futebol convincente em uma partida até aqui na temporada, no clássico vencido sobre o Santa Cruz por 3×0 pelas quartas de final do estadual.

Diante de um ano até então turbulento, as expectativas, inclusive do torcedor Sportano, são naturalmente de preocupação e pessimismo em relação ao desempenho do time no Brasileirão. Além dos maus resultados e do futebol pobre apresentado, diferente dos últimos anos nenhum dirigente do clube deu declarações ambiciosas quanto ao objetivo leonino na competição nacional, demonstrando mais pés no chão e reconhecimento da situação complicada. Guilherme Beltrão, inclusive, já chegou a declarar que não há condições de contar com jogadores de salários maiores que os demais, como foram os exemplos de Diego Souza e André nos últimos anos, e que espera uma nova campanha de manutenção, vislumbrando no máximo figurar entre a 8ª e a 12ª colocação.

Em campo, as dificuldades são refletidas em todos os setores. No ataque, o técnico Nelsinho Baptista começou o ano contando com três centroavantes e encerrou o terceiro mês sem mais nenhum ao seu dispor. Atrás, a manutenção da base defensiva que sofreu 55 gols no Brasileiro de 2016 e 58 no de 2017, não a toa tem gerado reprovação dos torcedores. Apenas o zagueiro Léo Ortiz, contratado como aposta, se firmou na zaga leonina, sendo um dos destaques positivos desse início de temporada. O meia Marlone, já conhecido pela boa passagem em 2015 também tem tido grande importância, sendo maestro e um dos artilheiros da equipe, até aqui com 5 gols. Porém, o melhor atleta do Sport em 2018 tem sido o volante Anselmo, também artilheiro ao lado de Marlone e que tem se destacado pela precisão nos desarmes, auxílio na criação de jogadas e chegadas como homem surpresa fazendo gols.

Anselmo tem sido o principal destaque do Sport no ano

 

Depois do fracasso no Pernambucano, algumas modificações foram feitas no elenco. Foram contratados por empréstimo junto ao Internacional o zagueiro Ernando, o meia Andrigo e o lateral direito Cláudio Winck, envolvidos na transação de saída do volante Rithelly para o Colorado. O Leão apostou também em destaques dos campeonatos estaduais, como o volante Ferreira e o zagueiro Max, contratados junto ao São Caetano, o atacante Hygor, que se destacou pela Ferroviária e Carlos Henrique, também atacante, que fez bom Campeonato Paranaense pelo Londrina. Outra aposta foi o volante Nonoca, da base do Cruzeiro. Por outro lado, alguns atletas não seguem no elenco, a exemplo do lateral esquerdo Capa e do meia Pedro Castro, que retornam ao Avaí, do meia Thomás, que encerra seu contrato no meio do ano e não deve renovar, e do volante Thallyson, emprestado ao Boa Esporte para jogar a Série B. Com isso, o atual time base para iniciar o campeonato pelo Rubro-negro pernambucano é: Magrão; Cláudio Winck, Léo Ortiz, Ernando e Sander; Anselmo, Neto Moura, Andrigo, Marlone; Everton Felipe e Hygor.

Folheie o álbum 4-3-3 completo

 

Avatar
Postado por Lucas Araujo Recifense de raiz, estudante de jornalismo, atualmente cursando o 5º período. 19 anos (quase 20) de vida e consequentemente de paixão por futebol, mas principalmente pelo Sport.