Equilíbrio e intensidade
19 de setembro de 2019
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Nacional

(Divulgação/Athletico Paranaense)

Não sou um especialista em relacionamentos. Muito pelo contrário, eu diria que sou um completo desastre. Minhas experiências são traumáticas e aprendo muito assistindo de fora, os dos outros. E um dos pontos que sempre me chama a atenção é a intensidade de alguns desses relacionamentos. A forma como se desenvolvem e como caminham. Mais cadenciados ou mais tensos, mais decididos. E tal intensidade pode ser um risco dentro de uma relação.

Outro fator determinante é o equilíbrio. Gosto de uma frase de um amigo meu, que diz: “amor é doação, não se pode amar sem se doar pro outro”. Equilibrar as coisas, saber o que o outro quer e poder retribuir da mesma forma, com carinho, com atenção, com afeto.

Certamente vão me chamar de louco após este preâmbulo para dizer que Bruno Guimarães no Athletico é a síntese de um relacionamento firme, forte e enraizado. Num Furacão intenso, chega com tranquilidade, cadencia e transforma o jogo. Se doa para a equipe, em seus percalços, e faz com que tudo pareça mais tranquilo.

Bruno é o que chamamos hoje de todocampista, que está presente nas duas fases do jogo. Com uma leitura apurada do que acontece em campo, participa do momento defensivo, ocupando espaço, desarmando e interceptando, e também da fase ofensiva, gerando jogo, abrindo espaço e pisando na área.

Se até 2014 (ou um pouco mais, na ressaca do 7–1) a crítica era de uma falta de pensadores de jogo, meio-campistas cerebrais que pudessem ditar o ritmo da partida, inspirados por Xavi e Iniesta, o Brasil tem uma geração soberba de jogadores com essas características: Arthur Melo, Matheus Henrique, Douglas Luiz, Lucas Paquetá e Bruno Guimarães, todos com idade olímpica e que podem fazer essa função no meio de campo.

Além dessa onipresença em campo, os todocampistas brasileiros tem uma característica muito interessante: o passe em profundidade. Dar a bola no ponto futuro para a chegada de quem está fazendo a ultrapassagem, abrindo espaço e quebrando as linhas.

Dos citados, Bruno é o que mais gosta de ter a bola sob seu controle, mas sem egoísmo. Sabe que ter a posse de bola é importante para se vencer um jogo, mas é imprescindível saber o que fazer quando não se tem ela. Guimarães dita o ritmo e dá as cartas da partida. Sendo assim, ele é um jogador que todo o treinador gostaria de ter em seu time. Aos 21 anos, está afirmado entre os ótimos jogadores do país e como uma das grande promessas não só da posição.

O título coroa a temporada brilhante do camisa 39. Fez isso durante a Copa do Brasil e faz ao longe de toda a temporada. Não se surpreenda se Tite o convocar para a Seleção: é a peça que falta na engrenagem canarinho.

JÁ CONFERIU NOSSO ÚLTIMO VÍDEO NO  YOUTUBE?

Postado por João Vitor Nunes Jornalista no interior de Minas, formado pela Universidade Federal de Ouro Preto. 23 anos. Apaixonado pelo esporte e pela profissão. Gosto de pitacos embasados e boa conversa de bar.