Entrevista: André Martinez – O Escritor da Bola
23 de maio de 2022

Imagem: Divulgação

Escritor, professor e palestrante, natural de Mogi das Cruzes/SP, André Martinez já escreveu mais de 20 livros, com foco maior no futebol, algumas obras do escritor são: Top 10 Timão (primeiro livro do André); Todas as Copas do Mundo; Corinthians minha vida, minha história, meu amor; A série grandes ídolos (Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos). Conversarmos com esse grande escritor, Confira a entrevista na íntegra:

Poderia contar para os nossos leitores como foi o seu início no meio literário?

Eu entrei no meio literário meio que por acaso, eu nunca sonhei em ser escritor, mas desde muito cedo, desde criança eu sempre gostei muito de futebol, e eu sempre gostava de guardar as coisas a respeito de futebol, jornais, revistas, e guardava muitas informações na cabeça. E eu sempre gostava de falar e comentar sobre esses assuntos, e eu lembro que muitas pessoas falavam “O moleque não fica pensando nisso, tira isso da cabeça, isso não vai te levar a lugar nenhum”, e eu cresci meio que pensando nisso, e eu achava que isso um dia poderia ser muito útil para mim, até que cheguei a um momento, na fase adulta, em que eu estava passando por um momento complicado, estava desempregado, meio depressivo, achei que era o momento de juntar todo aquele material, todo aquele conhecimento, tentar escrever um livro, e mostrar para as pessoas que aquilo tudo podia me levar para algum lugar. E me levou, foi o primeiro dos meus vinte livros. E foi muito legal.

Como foi para você escrever os livros do Santos, Palmeiras e São Paulo, mesmo sendo corinthiano?

Foi uma experiência muito boa. O futebol é muito lindo por causa disso, porque existem grandes clubes, e todos os clubes têm a sua história, conquistas e suas glórias que merecem ser reverenciadas também. E lógico, eu nunca escondi de ninguém que eu sou corinthiano, mas eu respeito muito, e sei enaltecer também a história dos outros grandes clubes do Brasil, como são os rivais aqui de São Paulo. Então para mim, foi um prazer muito grande, eu fiz esse trabalho da mesma forma que fiz todos os meus livros do Corinthians. E assim, sempre com muito respeito e enaltecendo a história do futebol em geral, e respeitando as tradições de todos os clubes grandes do Brasil.

Tem novos projetos em pauta para o futuro?

Tenho muitos projetos, logo algumas coisas vão surgir, mas por enquanto ainda é segredo.

Você já escreveu vários livros, de vários temas diferentes, ainda tem algum assunto que você gostaria de escrever? E no meio do futebol?

Sim, aliás, esse é um dos projetos que estão para surgir, acho que faltou um livro especificamente de um período histórico do Corinthians, que em breve se Deus quiser ele estará sendo lançado.

Qual dica você daria para quem está escrevendo algum livro? E tem algum conselho mais específico para alguém que esteja escrevendo uma obra de futebol?

Acho que o conselho é geral, não só para quem está escrevendo sobre futebol, ou para quem está escrevendo para qualquer outro assunto. Você tem que ter muita certeza daquilo que está escrevendo, tem que ter a maior exatidão possível dos fatos que você está colocando no papel, que você está colocando no livro, por que a partir do momento que você lança o livro, publica ele, o livro, por qualquer que seja, acaba se tornando referencia daquele assunto, as pessoas vão ler aquilo e vão acreditar, daqui a 50, 100 anos alguém pode pegar um livro meu em uma prateleira qualquer, ler o livro, e vai ter como verdade aquilo que eu escrevi, então é obrigação de quem está escrevendo, checar muito bem as fontes ter certeza do que está escrevendo, para que essa referência esteja 100% verdadeira. Que é uma responsabilidade muito grande. Você está levando conhecimento adiante, você está levando material que vai ser conhecimento para outras pessoas no futuro, em outras épocas, então acho que é muito importante você ter isso em mente, é você ter certeza daquilo que está escrevendo, para você ter exatidão total do domínio do assunto que você está escrevendo.

O Corinthians montou um timaço, do meio para frente podemos dizer que é uma “seleção”, mas até o momento o time não vem apresentando bons resultados, não ganhou clássicos no ano ainda. Você acredita que o Timão vai conquistar algum título esse ano? 

É difícil dizer se o Corinthians vai conquistar algum título esse ano, até porque o Corinthians é um time em formação, começando um trabalho novo, com o Vítor Pereira, um técnico com uma mentalidade nova, mais um português aqui no futebol brasileiro. O time já mostrou algumas mudanças daquele estilo que vinha jogando com o Sylvinho, já é um time diferente, mas ainda é um time em formação, tem grandes talentos, grandes jogadores individualmente falando, talvez no futebol brasileiro tenha um dos maiores conjuntos técnicos, mas tem outros times que são muito bons aqui no Brasil, e que estão a frente do Corinthians em termos de formação. Flamengo, Palmeiras e Atlético Mineiro são equipes, que estão a frente do Corinthians, mais amadurecidas. Mas eu tenho certeza que o Vítor Pereira vai fazer esse time crescer ainda mais de produção, vai fazer um bom trabalho, e a tendência é que a hora que esses caras [jogadores] entenderem a filosofia do treinador e se adaptarem ao trabalho dele, acho que o time vai engrenar e brigar pelas conquistas, mas acho difícil dizer se vai conquistar o não já esse ano, mas é um bom time.

Falta pouco para a Copa do Mundo, acha que a seleção brasileira vai longe? E quais seleções você acredita que tem condições de levantar o troféu?

Eu acho que essa vai ser a Copa mais impopular de todos os tempos, porque a gente vê cada vez mais o torcedor brasileiro se importando menos com a seleção, você não vê mais aquela expectativa, não vê mais aquela vontade que o povo tinha em torno da seleção brasileira, de assistir os jogos, de acompanhar, de realmente incorporar o espírito da seleção brasileira em uma Copa do Mundo, que era uma coisa super natural para o povo brasileiro, hoje em dia a gente não enxerga mais isso, e eu acho que vai ser uma das Copas mais impopulares de todas.
Eu não vejo nenhuma seleção extraordinária, não sei se o Brasil pode chegar, tem condições de chegar, porque eu não vejo nenhuma outra seleção tão superior aquilo que o Brasil vem apresentando.

Aqui é o espaço para você escalar a sua seleção. Usando os critérios que quiser, atletas de todos os tempos, só com jogadores que você viu, etc.

Minha seleção vai ser do Corinthians de todos os tempos, com jogadores que eu vi jogar e outros que eu não vi jogar.
Cássio, Zé Maria, Domingos da Guia, Gamarra, Wladimir, Rincón, Sócrates, Rivellino, Marcelinho Carioca, Ronaldo Fenômeno e Claudio Christóvam de Pinho. Com menção honrosa para o Luizinho Pequeno Polegar e também para o Gylmar dos Santos Neves. E de treinador o Tite.

Obrigado pela disponibilidade, alguma consideração final para os nossos leitores?

Gostaria de mandar um abraço para você Jean, para toda a galera do Blog 433, e dizer que foi um prazer muito grande estar conversando com vocês, estou sempre a disposição, visitem meu site, lá tem todos os meus livros e trabalhos que eu realizei. E quem puder entrar no Facebook e curtir a página de um novo projeto meu que se chama: “Mogi em Revista” eu vou ficar muito agradecido. Forte abraço a todos!
Link do site do André: http://andremartinez.com.br/
Link da página Mogi em Revista: https://www.facebook.com/mogiemrevista

 

Postado por Jean Pedro da Silva Estudante de gestão financeira, natural de Minas Gerais, torcedor do Corinthians, e fanático por estatísticas, história e futebol.