Apoio da torcida, Clemer e união – Van Basty explica bom momento do Brasil de Pelotas
20 de fevereiro de 2018

Van Basty marcou no jogo que selou a classificação do Brasil à próxima fase. Foto: Jonathan Silva.

Ao darem uma olhada na classificação do Campeonato Gaúcho, os mais desavisados até se assustam. Ao lado do Internacional na ponta da tabela, nada de Grêmio. A segunda colocação tem, com muito mérito, um outro dono, o Brasil de Pelotas. Comandado pelo ex-goleiro Clemer, o time do interior do estado tem os mesmos 16 pontos do líder, com cinco vitórias, um empate e uma só derrota – contra o próprio tricolor, que ocupa a lanterna.

A surpresa, no entanto, fica para os que veem de fora. Para quem trabalha no dia a dia do clube, a campanha é fruto de muito merecimento. É o que explica Van Basty, agora conhecido como Sousa, que aproveita para valorizar o apoio da torcida no estádio Bento Freitas – até aqui a equipe tem 100% de aproveitamento em casa, vencendo até o líder Internacional.

“Ficamos muito felizes com tudo que vem acontecendo com nosso trabalho. A importância da torcida é muito grande nisso. É um povo muito apaixonado e que sempre comparece ao estádio com muita vontade de nos ajudar a conquistar os resultados positivos“, conta, em entrevista exclusiva ao Blog 4-3-3.

Volante chegou nesta temporada no Brasil de Pelotas. Foto: Jonathan Silva.

Em harmonia com a torcida, quem também tem grande parcela no sucesso da equipe é Clemer. O ex-goleiro tem feito um excelente trabalho, tirando o máximo de seus atletas e mostrando um futebol bastante moderno e eficiente dentro de campo. Ainda buscando seu espaço, o volante Sousa valorizou o trabalho de seu comandante.

“O Clemer é um ótimo treinador. Faz um trabalho muito bom, pede bastante para a gente trabalhar a bola. Seus auxiliares também ajudam bastante. Tem uma metodologia de trabalho muito boa, é tranquilo e conhece muito bem o futebol“, disse o jogador.

Com gol de Van Basty na última rodada, contra o São José, o Xavante garantiu sua classificação à próxima fase. Mesmo com o objetivo atingido, não há quem pense no mata-mata dentro do clube. O pensamento é, segundo o jogador, jogo a jogo – ainda restam quatro na primeira fase. O volante sabe que, independente da vaga garantida, todo jogo no estado é um desafio.

“O futebol gaúcho é bastante disputado. É de muito embate físico, diferente de outros campeonatos, mas é um grande torneio. Essa parte física chama bastante atenção, vem sendo uma grande experiência para mim“, contou o jogador que, mesmo com 23 anos, já rodou por Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Paraíba e Distrito Federal.

“Que a torcida continue indo ao estádio nos apoiar. Não vai faltar determinação e empenho a cada jogue para que possamos conquistar todos os objetivos, passo a passo”, concluiu.

Equipe já está garantida na próxima fase do Gauchão 2018. Foto: Jonathan Silva.

Van Basty ou Sousa?

O reflexo é imediato. Assim que você lê o nome do volante do Brasil, passa pela sua cabeça que é uma homenagem a Marco Van Basten, lendário atacante holandês, certo? Realmente é. Ultimamente, no entanto, o jogador tem sido chamado apenas pelo seu sobrenome, Sousa. Surgiu na internet um boato de que a orientação para “mudar de nome” tinha sido dada por Clemer. O atleta, no entanto, negou, deixando claro que foi algo “natural”.

A gente chega no clube, um chama de uma coisa, outro de outra, e assim vai indo. Por aqui pegou mais o Sousa e estou sendo chamado assim, não vejo problema nenhum“, revelou o jogador, que marcou presença na seleção da última rodada do torneio.

Avatar
Postado por Andrew Sousa Formado em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus 23 anos.