Antonio Conte, Giuseppe Marotta e o “fenômeno” Lautaro Martínez
6 de julho de 2020
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Internacional

Uma estrela em ascensão, jogador que todos querem. 110 milhões? 90 milhões e um jogador? 60milhões e dois jogadores? As notícias do mercado italiano e espanhol tem um protagonista. Uma sensação, fenômeno de popularidade, mas o que ninguém se perguntou realmente foi: Lautaro Martinez vale isso tudo?

Primeiro precisamos nos atentar ao tipo de jogador que ele é visto com a realidade do jogador que ele é:  um atacante móvel, brigador e goleador. A realidade é um pouco diferente disso explicaremos com base em estatísticas abaixo.

Resolvi fazer uma pequena listagem: Muriel, Immobile, Ronaldo, Zapata, Ilicic, Rebic, Cornelius, Lukaku, Caicedo, Milik, João Pedro, Gastón Ramírez, Caputo, Samuel Di Carmine e Henrikh Mkhitaryan. Esses 15 jogadores têm média de gols por minuto superior ao Lautaro. Percentualmente falando, TODOS têm maior precisão no passe que o atacante argentino. Em números gerais, apenas Samuel Di Carmine acerta menos passes por jogo que o Lautaro, com o importante adendo de atuar menos minutos por jogo e jogar num time que tem bem menos a bola do que a Internazionale. Muito pode se falar que um possível contexto tático possa atrapalhar um desenvolvimento de seus números em aspectos associativos, mas uma equipe como o Parma tem bem menos a bola, utiliza muito mais a “bola esticada” para um jogador como Cornelius e ainda assim ele apresenta vantagem nestes aspectos. Até Mauro Icardi, que sofre inúmeras críticas pela baixa participação na sua última temporada (e pior em nível de atuação), mostrava maior capacidade associativa traduzida em números. Um outro aspecto que poderia ter atenção seria o drible, mas apenas 1,2 com uma baixa precisão de 45% não significa realmente um jogador que tenha nisso um forte desequilíbrio.

Outro ponto a ser ressaltada é a questão da eficiência em remates. Por isso vou reutilizar aquela lista e utilizar o índice dos expected goals ou xG e estabelecer uma comparação entre esses nomes. Esse é um índice que calcula quanto cada jogador teria de chance de marcar naquele remate em função de sua posição e situação para finalizar. No caso, utilizarei como base de comparação quantos gols a mais ou a menos cada jogador tem em relação ao que era esperado pelas posições em que rematava: Muriel (+3,2), Immobile (+8,5), Ronaldo (+5,2), Zapata (+4,0), Ilicic (+5,9), Rebic (+3,3), Cornelius (+4,9), Lukaku (+2,4), Caicedo (+2,3), Milik (+1,0), João Pedro (+4,6), Gastón Ramírez (+2,0), Caputo (+2,5), Samuel Di Carmine (+0,9), Mkhitaryan (+1,8). Uns mais, outros menos, mas todos esses produziram mais gols do que era esperado, mostraram alta eficiência dentro da capacidade criativa de suas equipes. Quando se olha para esse dado do Lautaro ele passa a ser o primeiro da lista com aproveitamento negativo, no caso de -1,4. Ou seja, inclusive nisso sua produção deixa a desejar, não apresentando novamente um desempenho dito especial, estando inclusive “devendo em gols”.

A Inter oferece um supersalário a Lautaro para afastá-lo do Barça ...

Lautaro deixa a desejar em alguns aspectos.

Por fim um último aspecto que pode refletir algo sobre sua imagem é o fato de ser um atacante “brigador” e que o isso pode trazer de diferencial a uma equipe. Os índices mais fáceis de quantificar seria a imposição em duelos e que tipo de vantagem o Lautaro poderia propiciar neste aspecto. 5,3 disputas gerais ganhas por jogo e uma eficácia de apenas 42%. Embora o número seja bem fraco, isso não diz muito além de dificuldades de se impor fisicamente. Como isso ainda é insuficiente eu preferi trazer algo mais e resolvi usar como elemento de comparação o compatriota Paulo Dybala, que dentro do senso geral não é nem de longe conhecido como um jogador aplicado sem a bola. Pela Serie A, Lautaro esteve em campo 1950 minutos e a Inter em média tem 53,6% de posse, sendo possível estimar que em 905 minutos de Lautaro em campo seu time esteve sem a bola. Já Dybala esteve em campo 1755 minutos e a Juventus tem em média 59,2 % de posse de bola, sendo possível estimar que em 716 minutos de Dybala em campo seu time esteve sem a bola. Lautaro totaliza 430 ações de pressão, enquanto Dybala totalizou 328. Traduzindo em uma média por minutos Lautaro fica com 0,47 ações de pressão e Dybala com 0,46. Resumidamente não há nenhuma grande diferença em cima disso. A imagem de um jogador brigador, super aplicado não condiz com a realidade e deriva de sua nacionalidade e eventuais trejeitos desengonçados que fazem o torcedor enxergar mais empenho e entrega do que realmente há.

Antonio Conte trouxe, de certo modo, mais protagonismo para o atacante com a saída de Icardi, mas não tenho dúvidas de que o treinador preferiria seu antecessor se não fossem os problemas extracampo e uma gestão quase militar do vestiário. Giuseppe Marotta, um dos melhores diretores do mundo está ciente disso e já foi ao mercado sabendo da real possibilidade do atacante ser vendido. Ganha tempo nas compras, já satisfazendo de alvos que podem elevar o nível ou tem alto potencial que são o caso do já comprado Hakimi e do encaminhado Sandro Tonali. Marotta valoriza Lautaro na imprensa, diz que só sai pela multa e manipula o Barcelona para que este ceda em algum momento e pague mais do que deve por um jogador que não é tão bom assim, mas tem um forte hype, além do agrado e respaldo de Lionel Messi. Sabe que pode extrair dinheiro e até atletas de agrado do Conte no Barcelona.

pereba
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé e terno

Conte e Marotta.

Claro que não estamos falando de um jogador sem valor, é um atleta com potencial e sim, bom finalizador, mas com uma margem para crescer nesse e principalmente nos demais aspectos.
Fontes: Sofascore / fbref.com/pt/
Avatar
Postado por Osório Lopes Universitário, torcedor da seleção argentina, viciado em poker, Rock and roll e futebol.