A melhora de desempenho do Frankfurt com uma mudança de posicionamentos
12 de fevereiro de 2020
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Internacional

 

Na temporada passada o Eintracht Frankfurt terminou a Bundesliga na sétima colocação. Essa também foi a colocação do clube no número de gols marcados, que balançou as redes 60 vezes naquela edição do campeonato. A principal causa desse ótimo desempenho ofensivo foi, principalmente, o ótimo nível de futebol apresentado pela sua dupla de ataque, Jovic e Haller, que terminaram com 17 e 15 gols, respectivamente, ambos dentro do top 10 da artilharia da Bundesliga em questão. Ou seja, juntos, eles marcaram mais de 50% dos gols da equipe de Adi Hütter. Mas com a venda da dupla, e de Rebic que também era uma ótima opção para o setor ofensivo, o técnico austríaco teve que montar um novo ataque para essa temporada.

As escolhas de Hütter para repor as saídas dos seus atacantes titulares foram, no mínimo, arriscadas. Bas Dost veio do Sporting por €7 milhões e, apesar de ter feito uma ótima temporada, ao menos em números, pelo clube português marcando 23 tentos, o seu estilo não se assemelha em nada com os últimos titulares das Águias. O holandês é ótimo no jogo aéreo, mas carece de qualidade com a bola nos pés, diferente de Haller que era fundamental na construção dos ataques do Frankfurt saindo da área para participar de trocas de passes. São apenas 7 gols marcados pelo holandês até o momento.

Já o português André Silva, que chegou por empréstimo do Milan, consegue trabalhar melhor com a bola, mas vem de uma queda de desempenho que já dura desde a sua saída do Porto. Na temporada passada, quando defendeu as cores do Sevilla, foram apenas 11 gols em 40 jogos. Sua falta de regularidade vem sendo comum nas suas últimas temporadas. No Frankfurt o atacante marcou apenas 4 gols, além de ter realizado duas assistências. Hütter ainda trouxe Dejan Joveljic, de 20 anos, do Estrela Vermelha por €4 milhões, mas o jovem sérvio não conseguiu causar muito impacto, até pela pouca experiência e foi emprestado nessa janela de janeiro para o Anderlecht. O japonês Daichi Kamada também ganhou espaço após retornar de empréstimo, mas também pouco conseguiu contribuir, registrando três gols e quatro assistências atualmente.

O desempenho de Dost e Silva passa longe do desempenho dos atacantes do Frankfurt na temporada passada.

Curiosamente, quem melhor conseguiu corresponder no ataque já fazia parte do elenco desde a temporada passada: Gonçalo Paciência. O jogador português é o artilheiro do Frankfurt na Bundesliga, com 7 gols, mesmo não sendo titular absoluto do time. Ele ainda deu três assistências no campeonato. O desempenho dos atacantes trazidos por Hütter é tão ruim que o vice artilheiro das Águias no campeonato alemão é o zagueiro Hinteregger, com seis tentos.

Os artilheiros do Frankfurt na Bundesliga. Fonte: WhoScored.

Esse mau desempenho do ataque acarretou em resultados ruins do time na temporada, principalmente na Bundesliga. Com apenas 5 vitórias nos primeiros 17 jogos, e saindo derrotado em outros 9 confrontos desse período, o Frankfurt terminou o primeiro turno do campeonato alemão na 13º posição e a apenas três pontos do Fortuna Düsseldorf, que naquele momento era o time na zona de playoffs do rebaixamento. Na Europa League as Águias também passaram dificuldades, perdendo três dos seis jogos da fase de grupos e avançando para o mata-mata apenas pelo fato do Standard Liège ter ficado no empate com o Arsenal na última rodada. Foram 5 derrotas nos últimos seis jogos antes da pausa de inverno.

Adi Hütter desde que chegou ao Frankfurt sempre montou seu time com formações que tinham como base uma defesa composta por três zagueiros, mas na última rodada do primeiro turno, o técnico austríaco escalou o time com uma linha de quatro na defesa, numa formação que variava entre o 4-2-3-1 e o 4-4-1-1. As Águias foram derrotadas por 2×1 pelo Paderborn, mas aparentemente Hütter gostou do que viu, pois desde que voltou da pausa de inverno seu Frankfurt atuou apenas nessa formação e a mudança vem mostrando resultados, com a equipe estando invicta nesse período. São quatro vitórias e um empate.

Essa mudança de formação gerou alterações na escalação, como pode ser visto na imagem acima. Na defesa, Hasebe, até então um dos três zagueiros titulares, tornou-se reserva e N’Dicka, também titular frequente na linha de três tornou-se o lateral esquerdo da equipe. Almamy Touré ganhou a vaga na lateral direita e o capitão Abraham e o ‘zagueiro artilheiro’ Hinteregger formam agora a dupla de zaga da nova defesa das Águias. A dupla de meias titular é, em tese, Rode e Sow, mas pela quantidade de jogadores nessa posição, que ‘ganhou’ agora a opção de Hasebe para o setor, Hütter costuma mudar com frequência os titulares de uma partida para outra. O centro avante titular também costuma alterar-se entre os jogos, até pelo já supracitado baixo desempenho dos jogadores da posição. Já Gacinovic vem sendo titular absoluto como jogador que atua atrás do centro avante, mas com muita liberdade para movimentar-se por todos os lados do campo.

Outros dois jogadores que já eram titulares absolutos desde o início da temporada e mantiveram o status são Chandler e Kostic, porém agora em novas posições. Kostic disputou 20 jogos na Bundesliga e Chandler disputou 12, ganhando aos poucos a vaga de Danny da Costa. Porém, se antes a dupla atuava como alas, com a mudança de formação hoje eles formam a dupla de meias que joga aberto e a influência de ambos no desempenho ofensivo da equipe tem sido notável. Nesses cinco jogos realizados após a pausa de inverno o Frankfurt marcou 13 gols e 10 destes tiveram participação direta de ao menos um dos dois jogadores. Ambos marcaram quatro gols e Kostic ainda deu quatro assistências. Essa mudança de posicionamento permite que a dupla apareça com frequência dentro da área adversária permitindo que eles participem mais diretamente das ações ofensivas do Frankfurt.

Chandler perdeu praticamente toda a temporada passada por conta de uma lesão no joelho. Recuperado fisicamente, o norte-americano conseguiu disputar posição com Da Costa nessa temporada, jogando como titular algumas vezes no lugar do alemão na ala direita e se firmando de vez como titular na posição de meia direito. O camisa 22 é veloz, bom no passe e também na finalização, é muito forte fisicamente e ótimo no jogo aéreo, tanto que dos 4 gols marcados no campeonato alemão três foram de cabeça.

O jogo aéreo de Chandler tem sido importante para o Frankfurt.

Kostic dispensa apresentações, desde a temporada passada quando chegou a Commerzbank-Arena vindo do Hamburgo por empréstimo demonstrou ser um jogador de grande nível técnico e mesmo jogando como ala foi uma das peças mais perigosas ofensivamante do Frankfurt. Somando Bundesliga e Liga Europa foram 22 participações em gols (10 gols e 12 assistências) em 46 jogos. Com a saída dos principais nomes do ataque, o sérvio tornou-se a referência técnica do time de Adi Hütter nessa temporada e mesmo no período que jogou de ala já havia conseguido participar diretamente de 11 gols da equipe. O camisa 10 das Águias é arco, mas também é flecha do time.

Ele é muito veloz e tem uma capacidade enorme para driblar, são 3.3 dribles certos em média por partida. Essas suas duas principais características o tornam um jogador excelente para construir os ataques do Frankfurt, quer sejam eles iniciados desde a defesa ou em contra ataques pegando a defesa adversária desarrumada e/ou com espaços como aconteceu com o Leipzig no jogo pela Copa da Alemanha.

Kostic tem um ótima leitura de jogo o que torna ele ótimo em dar assistências para os seus companheiros de Frankfurt, fato que pode ser confirmado pela sua média de 2.7 passes chaves por jogo e pelas 9 assistências realizadas até o momento. Também é ótimo nas bolas paradas, o próprio Chandler tem se beneficiado dessa qualidade de Kostic nesses últimos jogos tendo marcado dois gols em lances de bola parada cobradas pelo sérvio. O meia também é um bom finalizador com uma média de 2.8 chutes por partida, com 1.1 acertando o alvo. Atuando agora na faixa de meio de campo Kostic tem mais liberdade para atacar, pois caso a equipe perca a bola o lado esquerdo da defesa ainda contará com N’Dicka para dar proteção por aquele lado. Sendo assim, jogando dessa forma, mais próximo do ataque, o camisa 10 das Águias conseguirá ser ainda mais influente na fase ofensiva do Frankfurt.

 

Os números da exibição de gala de Kostic contra o Ausburg.

Essa mudança tática também está favorecendo os próprios atacantes do Frankfurt, pois se 9 dos últimos 13 gols foram marcados pela dupla de meias, dos outros quatro, três foram marcados pelos centroavantes da equipe, com Dost marcando um e André Silva os outros dois. Nessa formação o centroavante do Frankfurt acaba ficando cercado por jogadores capazes de dar-lhe um passe para gol, pois terá Kostic na esquerda, Chandler na direita e ainda Gacinovic pelo centro. Essa formação também permite que o time de Hütter ataque com muitos jogadores na área, sendo geralmente um meia de lado de campo, o centro avante e Gacinovic que pisam na área adversária para tentarem marcar o gol.

Reprodução: FOX Sports Brasil

Defensivamente essa formação também vem se mostrando ser muito eficaz, até pelo fato de que com ela, diferentemente de quando a equipe atuava com três zagueiros, o time consegue ter dois jogadores de cada lado do campo para defender esses setores, que são o meia e o lateral. Enquanto que quando atuava com um trio de zaga o Frankfurt contava apenas com os alas pelas laterais do campo, e tentava compensar a falta de mais um jogador por esses setores com o movimento de basculação do trio de meias. Além disso, o espaço nas costas dos alas, quando estes subiam para o ataque, costumava ser muito explorado pelos adversários. Com duas linhas de quatro compactas o time consegue defender-se bem e também sair rápido para o contra ataque. Tanto que mesmo enfrentando o ótimo Leipzig de Nagelsmann por duas vezes, pela Bundesliga e pela Copa da Alemanha, que é uma equipe muito forte ofensivamente, o Frankfurt sofreu apenas um gol.

Que pese o nível apresentado pelo Leipzig desde o retorno da pausa de inverno, o desempenho da equipe de Adi Hütter contra o time de Nagelsmann é um bom parâmetro para mostrar a melhora das Águias também defensivamente com essa nova formação. A média de gols sofridos nesses últimos cinco jogos é de 0.6, bem abaixo dos 1.5 de média com que a equipe terminou a primeira parte da temporada. É uma amostragem pequena, mas que pode corroborar e apontar para uma real melhora defensiva. Outro dado estatístico que pode comprovar o bom desempenho defensivo do Frankfurt nessa fase da temporada é o seu xGA, que é uma métrica que mede a quantidade de gols que um time poderia ter sofrido num jogo, baseado em vários fatores como ângulo dos chutes, distância dos chutes, etc. Nos últimos 4 jogos de Bundesliga o maior xGA que o Frankfurt teve foi de 1.07, ou seja, em nenhum desses jogos ele deveria ter sofrido mais de um gol, e não sofreu. O que pode indicar que ou a equipe está defendendo-se realmente muito bem ou os quatro adversários não foram capazes de criar ótimas chances de gol.

Gols esperados que o Frankfurt deveria ter sofrido nos últimos 5 jogos da Bundesliga.

Essa mudança de estratégia feita pelo Adi Hütter, tanto na formação tática, quando na posição de alguns jogadores do time, principalmente Chandler e Kostic está mostrando-se muito efetiva, fazendo o Frankfurt voltar a ser muito competitivo e aponta para uma segunda parte de temporada muito melhor do que foi a primeira metade. Com o equilíbrio visto nesse campeonato alemão as Águias podem entrar na briga por uma vaga em competições europeias e também melhoram sua perspectiva de avançar de fase na Europa League, mesmo enfrentando um adversário complicado já nessa primeira fase de mata-mata, o Salzburg, até pelo time austríaco ter perdido jogadores importantes do ataque na janela de janeiro.

Postado por Wallas Vieira Técnico em Edificações, cursando Administração. Torcedor de Flamengo e Liverpool. Fã da intensa Premier League e do tático campeonato italiano. Gosta de táticas, crônicas e número sobre o futebol.