VESTINDO O FUTEBOL #07 – Joma
13 de fevereiro de 2017

Fundada na cidade de Portillo de Toledo, na Espanha, a Joma iniciou suas atividades em 1965 com apenas oito empregados contratados. Com o passar do tempo, foi se desenvolvendo gradativamente e começou a se expandir.

Focada apenas em tênis esportivos até então, inaugura uma nova fábrica de 2 mil metros quadrados em 1980, empregando assim mais de 70 pessoas para sua linha de montagem e produção. Tomando uma certa notoriedade, a empresa é convidada pela primeira vez para participar da feira ISPO na Alemanha, mais precisamente em Munique.

Apenas 7 anos depois, a companhia desenvolve uma tecnologia excepcional que faria da Joma, uma empresa global. O CPC (Control Press Chamber, em português seria algo como Câmara de Pressão de Controle) foi bastante elogiado pelos consumidores e críticos.

O retorno financeiro foi tão bom que pouco tempo depois a empresa anunciava a construção da sua nova fábrica, que dessa vez, contava com 60 mil metros quadrados, 3 linhas de montagem completamente automatizadas e empregava mais de 300 trabalhadores. A Joma enfim tornava-se uma emprega grande por definição.

Visando se consolidar mais ainda dentro da Espanha, em 1989 a companhia fecha um contrato de patrocínio com três jogadores da moda naquela época: Emílio Butragueño, Miguel Soller e Beriguistaín. O primeiro astro do Real Madrid, os dois últimos, jogadores do Barcelona. Era a entrada definitiva da empresa no futebol.

Um dos maiores atacantes da história do Real Madrid.

Já na década de 90 a empresa entra pela primeira vez em outro país. A Alemanha foi o alvo escolhido. Está época marcou também a atenção que a empresa começava a dar para alguns esportes olímpicos.

Dois anos depois o que já estava se anunciando se concretiza a Joma era a empresa espanhola líder em vendas no futebol. Em 1996 entra no México e começa a patrocinar equipes relevantes para o país, como o Puebla.

Mas foi em 1998 que chamou a atenção do mundo todo. O espanhol Fernando Morientes, então atacante do Real Madrid na época, entra em campo vestindo uma chuteira vermelha. Era uma campanha da empresa que se chamava “cores no futebol”, sendo assim, a Joma foi a precursora no quesito chuteiras coloridas no futebol mundial (saudosistas, reclamem com eles). Alfonso Perez também passou a usar uma chuteira branca desenhada pela companhia.

Calçando chuteiras vermelhas, inovação para e época.

O século 21 começa muito bem para a empresa espanhola, fecham patrocínio com o Sevilla as seleções de Honduras e Costa Rica. Além disso, mais jogadores como Pavón, Helguera e Portillo, eram patrocinados pela empresa. O crescimento foi tão absurdo quem em 2007, a companhia já contava com 40 clubes e mais de 500 jogadores no portfólio, absurdo.

Seis anos depois, a empresa foi classificada como a terceira marca mais conhecida no ramo esportivo, atrás apenas das duas gigantes de sempre, Nike e Adidas.

Confira alguns trabalhos da Joma:
Em sua passagem no Brasil, patrocinou o Paraná.
E também o Ceará.
Camisa atual do Swansea-ING.
Aquele saudoso Sevilla do Fabuloso.
Camisa atual da Sampdoria-ITA.
Fiorentina-ITA.
Camisa atual do Bolívar-BOL.
Valencia-ESP.
 Camisa atual do Toulouse-FRA.
Pato saiu, mas a Joma continua no Villarreal.
Além da Romênia, a Joma patrocina Honduras também.
 Gostou? Sugira uma próxima marca para ser o tema do próximo Vestindo o Futebol!
Postado por Renan Castro 23 anos, administrador, torcedor do Flamengo, natural de Nova Iguaçu - RJ, fã de aviação e dono de três quadros: Vestindo o Futebol, Ícones Alternativos e Memória FC.