VESTINDO O FUTEBOL #05 – Diadora
3 de outubro de 2016

A Diadora foi uma das fornecedoras mais conhecidas do cenário futebolístico no começo deste século. Hoje, já um tanto fora da grande mídia esportiva, a marca italiana tem uma vida tranquila. Embora não esteja patrocinando muitos clubes, se mantém bastante presente em outros ramos de seu portfólio. Conheça a história e alguns trabalhos da companhia europeia.

A empresa foi fundada na província de Treviso, no ano de 1948, pelo italiano Marcelo Danieli. O gestor inicialmente tinha como auxiliar a sua esposa, que o ajudou a confeccionar algumas botas de alpinismo, o primeiro produto oficial Diadora. Após a segunda guerra mundial, veio a década de maturação da companhia. Os anos 50 serviram pra coloca-la definitivamente como uma marca relevante em âmbito nacional, porém ainda sem entrar no mundo futebolístico.

Nas décadas que se sucederam, a organização ampliou seu leque de produções e começou a fabricar também tênis para passeio e para corrida. Já em meados dos anos 70, deu seu primeiro passo no futebol, fechando parceria com uma das estrelas da Juventus na época: o atacante Roberto Bettega. Foi nesta época também que começaram a produzir chuteiras de campo.

Com os anos 80 e toda aquela economia aquecida por um mercado capitalista que já dava indícios de que começaria a dominar o futebol, a Diadora (que a esta altura já era uma marca multinacional) começou a sofrer com a concorrência de conglomerados que se agigantavam montados na grana, como a Nike, por exemplo. Afim de fortalecer sua marca e manter-se de pé perante a ameaça, a empresa italiana adotou uma tática um tanto agressiva de patrocínios de clubes e parcerias com personalidades do meio. Nomes como Niki Lauda, Zico, Prost, Moser e Senna, fizeram parte do grande investimento da companhia nesta década.

Mas foi nos anos 90 que veio o jogador que definitivamente fixou a Diadora na cabeça dos fãs de futebol: Roberto Baggio.

Vestindo Diadora, calçando Diadora. Um completo garoto propaganda.

Por mais de 10 anos, a marca italiana foi associada ao astro da seleção Azurra, do começo ao fim de sua carreira a Diadora esteve com ele, o que fez com que os fãs fizessem uma relação direta entre os dois, acordo bastante benéfico para ambas as partes. Mas além da grande estrela da companhia, haviam nomes como Van Basten, Weah, Vialli, Signori e até mesmo Gustavo Kuerten ilustrando o marketing dos anos 90 com a Diadora.

Além de Baggio, Vialli e Weah eram outras estrelas da marca.

Mais tarde, em 1996, a empresa enfim dá as caras no Brasil e começa a ser produzida e vendida por todo o país. Ritmo esse que, apesar da crise que sofreu no começo deste século, conseguiu manter por certo tempo ainda patrocinando alguns clubes brasileiros, como podemos ver abaixo.

Bahia
Atlético-MG
Coritiba
Palmeiras
Ponte Preta

Em 2009, depois de muitos anos no vermelho, a Diadora ameaça pedir falência. E é então que a família Moretti aparece, Enrico Moretti, um dos cabeças da também italiana GEOX, compra a Diadora e assume todas as suas dívidas com a promessa de renovar a marca.

Atualmente a empresa tem se focado a produzir seus tênis de linha esportiva, porém mantém contrato com alguns jogadores, tais como Cassano e Felipe Melo. A marca atua em cerca de 80 países ao redor do globo e fatura mais de 500 milhões por ano. Confira mais alguns trabalhos da companhia abaixo.

Duisburg – ALE
Nantes – FRA
Hadjuk Split – CRO
Rapid Viena – AUS
Aston Vila – ING
Sheffield Wednesday – ING

 

Rangers – ESC
Birmingham – ING
Leeds – ING
Sunderland – ING
Crystal Palace – ING
Hull City – ING
Watford – ING
Napoli – ITA

 

St Mirren – ESC
Cerro Porteño – PAR

 

Guarani – PAR
Fiorentina – ITA

 

Walsall – ING
Roma – ITA

 

 

Postado por Renan Castro 23 anos, administrador, torcedor do Flamengo, natural de Nova Iguaçu - RJ, fã de aviação e dono de três quadros: Vestindo o Futebol, Ícones Alternativos e Memória FC.