Vale a pena vender o Craque do Time?
29 de setembro de 2013

Craque, nada mais é do que o jogador que faz a diferença, o jogador que eleva o nível do seu time, o jogador por qual passam as esperanças da torcida em almejar títulos na temporada, e também o maior problema para diretoria já que é o jogador mais desejado por clubes de maior poder financeiro.

Ultimamente vem sendo cada vem mais difícil um time segurar seu craque, já que sempre existe um time disposto a oferecer tudo que puder para contar com o futebol da estrela. O surgimento de clubes milionários, através de investimento, compra de árabes, russos ou empresas milionárias vem dificultando ainda mais a tarefa de segurar um craque. Com isso, é cada vez mais raro um jogador que brilhe numa temporada, se manter no mesmo clube. 
Mas o que muita gente se pergunta é se vale a pena esforçar-se para segurar um grande jogador, ou vende-lo e fazer um elenco forte.
Cavani deixou o Napoli para se juntar ao milionário PSG

Talvez grande parte da torcida prefira ficar com seu grande jogador, até para não vê-lo brilhando pelos adversários, mas outra parte da torcida, sabe aceitar a ideia de que a venda do astro pode valer a pena.

Grandes transações moveram o mercado nessa temporada, times optaram por vender seus craques, e apareceram como bons times, por exemplo Napoli, Borussia Dortmund e Tottenham, venderam Cavani, Gotze e Bale, e com o dinheiro contrataram muitos bons jogadores, como Higuain, Mikhitaryan e Cristian Eriksen respectivamente.
Existem também casos inversos, onde o time vendeu o grande craque e acabou ou se reforçando mal ou nem se reforçando, como os casos de Arsenal, Santos e Corinthians, que venderam Van Persie, Neymar e Paulinho e não trouxeram ninguém a altura. 
Ou seja, a venda de um craque, pode ser algo positivo, basta a diretoria saber o que fazer com o dinheiro. Algumas diretorias fizeram ótimos trabalhos, e devem conseguir fazer a torcida não sentir falta do antigo craque da equipe.

O Tottenham se movimentou muito no mercado 

O Tottenham por exemplo, que com Bale pensava apenas em brigar por vaga na Champions League, agora que montou um elenco fortíssimo, pode até sonhar por algo maior. O Borussia, que ainda herda muitas dividas do passado, se viu praticamente obrigado a vender Gotze ao seu maior rival, e isso levantou muitas duvidas, mas principalmente se o clube conseguiria manter o bom nível da ultima temporada, agora sem o seu camisa 10. Mas a diretoria se mexeu, se reforçou muito bem com o veloz Aubameyang, e com o novo 10, Mihkitaryan, e que podem até melhorar o time que já era ótimo, diminuindo as indagações sobre o que o o Borussia pode conseguir essa temporada.
O Atlético de Madrid, sempre foi conhecido por fazer grandes vendas, e nessa janela não foi diferente, ganhou muito dinheiro com Falcão, e buscou o “barato” David Villa pra substitui-lo e Léo Baptistão para um futuro próximo, e, contrariando o que muitos diziam, não vem sentindo a falta de El tigre, já que Diego Costa e Villa vem dando muito certo, com o brasileiro vivendo excelente momento.
Outro time da Espanha, o Valência, fez exatamente o contrário do Atlético. O time apresentou grandes craques ao mundo do futebol, como Mata, Villa, Jordi Alba e David Silva, que foram comprados por pouco e vendidos por muito, mas não houve reposição. Essa temporada por exemplo, o clube se desfez de Soldado e outros de seus principais jogadores, e a diretoria do clube, que se encontra em crise financeira, não trouxe peças de reposição a altura, que provavelmente resultará numa campanha abaixo do esperado para um clube como o Valencia.
Então, a venda do craque é boa quando se tem uma boa administração. Que saiba o momento certo de vender, por um alto valor, e que, principalmente, saiba reinvestir esse dinheiro em prol de um bem maior, o time. O craque, por mais que encante a torcida, venda camisa, e ganhe jogos, talvez seja importante para todo um projeto, que devido a diversas circunstancias, pode não contar com ele, já que o craque dificilmente ganha títulos sozinho, mas com o dinheiro de sua venda, e uma boa administração, pode gerar um bom elenco, resultando em títulos que antes, só com “o cara” do time, não vinham.

Postado por Andrew Sousa Formando-se em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus vinte anos.