Por onde andam os campeões mundiais de 2011?
15 de janeiro de 2016
Categoria: 4-3-3 e Seleções

No dia 20 de agosto de 2011, em Bogotá, na Colômbia,  estava sendo disputada a final do mundial
sub-20 de futebol, entre Brasil e Portugal. Em partida disputadíssima, o Brasil
levou a melhor por 3 a 2, com uma atuação impecável e um hat-trick de Oscar.

Porém, além do meia do Chelsea, tínhamos outros bons nomes a serem avaliados, e
nesse texto trataremos disso. Depois de pouco mais de 4 anos, aonde andam os
heróis do mundial? Ainda atuam no Brasil? Já desfilam seu futebol pela Europa?
Acompanhe aqui:

TITULARES:

Gabriel, revelado pelo Cruzeiro, já não tinha tantas chances na Raposa.
Depois do mundial, onde era titular, foi transferido ao Milan, que diminuiu
ainda mais suas chances de beliscar uma vaguinha no time titular. Seguiu sendo
emprestado pelos rossoneros, primeiramente para o Carpi (ITA), onde teve sua primeira
sequência de jogos profissionalmente. Atualmente está amargando a reserva no
Napoli
.


Danilo
, ex-Santos, pertence ao Real Madrid atualmente. Apesar de não mostrar o
futebol esperado por ele no Santiago Bernabéu, o lateral-direito foi um dos
que conseguiram melhorar o seu futebol e evoluir na carreira depois do mundial. Revelado pelo
América-MG, ele também jogou em Portugal, defendendo as cores do Porto. Foi um
dos destaques na conquista da Libertadores pelo Santos em 2011.


Alex Sandro
, também ex-Santos, é um dos destaques da nossa lista. Atualmente na
Juventus
, vem mostrando ótimo futebol, fazendo jus ao valor pago por ele.
Sempre na sombra de Danilo, o lateral-esquerdo foi também destaque da conquista
da Libertadores, pelo Santos.

Alex Sandro vem se firmando com um dos bons nomes da geração.


Bruno Uvini
, revelado pelo São Paulo, era uma das maiores promessas da seleção.
Capitão na final contra Portugal, foi importantíssimo durante toda a
competição. Atualmente está no Twente (HOL), mas pertence ao Napoli desde 2012.
Não conseguiu firmar-se em nenhum clube, tanto que desde que chegou a Itália,
esse já é seu terceiro empréstimo.


Juan Jesus
, outro que já obteve sucesso em sua carreira é cria do
Internacional. Já com espaço na equipe profissional, foi se firmando e
conquistando a titularidade no clube de Porto Alegre. Em 2012, depois do
Mundial, foi transferido para a Inter de Milão, onde já realizou 119 jogos, e é
peça carimbada no time titular de Mancini, embora não seja um zagueiro extremamente confiante.

google_ad_client = “ca-pub-1840200022341496”;
google_ad_slot = “5007518762”;
google_ad_width = 620;
google_ad_height = 60;

Chegando no meio de campo, temos Fernando. Revelado na base do Grêmio, depois
do sucesso no mundial, começou a disputar a vaga de titular no time titular do
tricolor gaúcho. Em 2012, começou muito bem com Vanderlei Luxemburgo, chamando
atenção de outros clubes pela Europa. Em 2013, durante a preparação
para a Copa das Confederações, o atleta confirmou a transferência para o
Shakhtar Donetsk e ficou lá até 2015, quando foi para a Itália, mais
especificamente para a Sampdoria. Para Ney Franco, Fernando foi um dos pilares
da equipe durante o mundial todo.


Casemiro
, ex-São Paulo, atualmente joga no poderosíssimo Real Madrid. Com a
chegada de Zidane, parece que o meia pode perder espaço, já que no primeiro
jogo com o francês no comando, Kroos foi bem e tende a melhorar. Em 2011 pelo
São Paulo, foi considerado melhor volante do Brasileirão, no troféu Armando
Nogueira. Também era um dos pilares da equipe e é um dos que mais evoluiu desde a época do campeonato mundial.

Depois de passagem pelo Porto, Casemiro evoluiu demais como jogador e fez excelente partidas pelo Real


Philippe Coutinho
, ex-Vasco, saiu muito cedo para a Europa, antes mesmo de
completar seus 18 anos já havia sido negociado para a Inter de Milão. Com uma
temporada sem convencer, foi emprestado para o Espanyol, aonde fez uma
temporada muito regular. Quando iria voltar para a Inter, foi negociado com o
Liverpool, aonde está até hoje. Por lá, ganhou o prêmio de melhor jogador dos reds na temporada 2014-15 e segue sendo peça chave da equipe.


Oscar
, ex-Internacional e São Paulo, foi destaque na final e é um dos mais “bem sucedidos” depois da conquista de 2011. Dificuldades no contrato fizeram com que o meia
revelado pelo São Paulo fosse parar no Internacional por 15 milhões, o que na
época era a maior negociação entre clubes brasileiros,. No clube do RS ele passou
3 temporadas. Em 2012, o Chelsea o contratou pela bagatela de 79 milhões de
reais. Nos blues, oscila bastante, mas sempre está entre os titulares.


Willian José
, ex-São Paulo, pertence ao Deportivo Maldonado. Foi o camisa 9 da
seleção durante toda competição. Quando foi emprestado ao clube paulista tinha
oportunidades apenas quando Luis Fabiano ficava suspenso/lesionado. Em 2013 foi
para o Grêmio, mas também foi pouco utilizado graças a qualidade dos atacantes
gremistas da época. Até hoje enfrenta uma sequência de empréstimos, atualmente,
está emprestado ao Las Palmas, da Espanha.


Henrique Almeida
, revelado pelo Atlético Paranaense, destacou-se e foi para o
São Paulo em 2009. Foi junto com Oscar, o protagonista da competição, sendo considerado melhor jogador e faturado o prêmio artilheiro do Mundial, junto com Lacazette.
Atualmente está no Coritiba, e em 2015 foi o principal jogador da permanência
do Coxa na primeira divisão. É talvez a “maior decepção” do time que levou o caneco.

Destaque da competição, Henrique parecia destinado ao sucesso na Europa. Não aconteceu, mas fez bom Brasileirão 2015.

RESERVAS:


César e Aleksander
: O primeiro é atualmente goleiro do Flamengo, foi banco
durante o mundial. Mesmo sendo taxado como promessa rubro-negra, ainda não
vingou e agora com a chegada de Alex Muralha, é provável que terá menos espaço
ainda. Já Aleksander definitivamente não vingou, também reserva igual César, o
jogador revelado pelo Trieste, atualmente está emprestado pelo Avaí ao
Nacional-PR.


Gabriel Silva e Galhardo:
 O primeiro,
jogou a final contra Portugal, graças a lesão de Alexsandro. Depois do mundial,
transferiu-se para a Udinese, onde foi emprestado e atualmente atua no
Carpi (ITA). O segundo acaba de se transferir para o Anderlecht, após uma boa temporada no
Grêmio, quando ficou na seleção da Bola de Prata.

google_ad_client = “ca-pub-1840200022341496”;
google_ad_slot = “5007518762”;
google_ad_width = 620;
google_ad_height = 60;


Frauches e Romário
: O primeiro também taxado como promessa da gávea, não vingou
e atualmente está emprestado pelo clube carioca para o Boavista. Romário foi
revelado pelo Internacional, não se firmou, foi emprestado a diversos clubes e hoje pertence ao Marítimo, de Portugal.


Allan, Dudu e Alan Patrick
: Allan foi revelado pelo Vasco, sendo aproveitado
por Dorival Júnior no acesso para a série A em 2009. Foi para a Udinese e
depois transferido para o Napoli, onde atualmente faz grande campeonato italiano.
Dudu, revelado pelo Atlético-GO, foi transferido cedo para o Cruzeiro, em 2005,
e ficou lá até 2011. Depois foi emprestado ao Coxa e comprado pelo Dinamo de
Kiev, onde não rendeu e voltou para o Brasil, mais precisamente para o Grêmio.
Terminado seu empréstimo aos gaúchos, chegou ao Palmeiras, onde foi um dos
protagonistas do título da Copa do Brasil 2015. Alan Patrick foi revelado pelo
Santos, era considerado grande promessa da Vila Belmiro, foi vendido ao
Shakhtar em 2012, não rendeu e segue sendo emprestado a diversos clubes. Atualmente está no Flamengo.

Allan faz excelente temporada, podemos o ver na seleção novamente em breve.

Chegando ao ataque, tínhamos a ousadia e alegria do novo Robinho, Negueba.
Revelado pelo Flamengo, parecia ser um dos pilares para o futuro da geração
brasileira, porém não foi nem perto disso. Enquanto pertencia ao Flamengo, foi
emprestado ao São Paulo, em 2013, aonde lesionou-se por 6 meses logo no seu
primeiro treino. Em 2015 foi comprado pelo Coritiba, onde não mostrou um  futebol vistoso, mas foi bem em alguns jogos
e também foi um dos principais responsáveis pela não queda do Coxa para a série
B.

Por mais que não tenhamos grandes craques consolidados no mundo da bola, o nosso último grande título com uma categoria inferior nos revelou bons nomes a nível internacional e nacional, o que prova que a geração tem sim capacidade de render muito mais do que atualmente rende.

Postado por Matheus Camargo Goes