Os 5 estádios mais caros do mundo
20 de setembro de 2019

 

Após a copa do mundo no Brasil, muito foi dito sobre o custo das arenas por aqui construídas e alguns mitos começaram a aparecer. As principais vítimas dos factoides – devido ao superfaturamento dos orçamentos iniciais – foram o Maracanã, no Rio, e o Mané Garrincha, em Brasília

Todo mundo conhece como as coisas acontecem no Brasil e sabem que coisas foram feitas sem a menor necessidade, sobretudo em praças onde o futebol não é o esporte que leva grandes públicos ou oferecem atrações que consigam utilizar os equipamentos de forma rentável.

Manaus e Cuiabá, por exemplo, viraram elefantes brancos, sendo utilizados como centro de convenções ou salas de aula, para que se diminua o prejuízo aos cofres públicos. Brasília, graças a jogos em que o mando de campo foi vendido por times que precisam de dinheiro, tem atraído, ao menos, importantes partidas de equipes da 1ª divisão, como o Flamengo.

Mas o fenômeno “estádios caros” não é algo localizado unicamente no Brasil. Apesar de alguns exemplos de economia, ligados a funcionalidade das arenas, existem cidades que também investiram pesado na construção de obras faraônicas. Valores bem mais altos que qualquer um por aqui.

Fica de olho nestes 5 listados abaixo.

Estádio New Meadowlands – Nova Jersey, EUA – 82.500 mil pessoas – US 1,6 bilhão

 

Para construir esta belezinha, que abriga duas das maiores equipes da NFL – o New York Jets e o New York Giants – um apostador da Megasena, que paga o maior premio lotérico do Brasil, precisaria ganhar na Mega da Virada aproximadamente 21 vezes e não sobraria nem um centavo! As duas associações dividiram o custo e compartilham a arena, popularmente conhecida como MetLife.

Cowboy Stadium – Texas, EUA – 80 mil pessoas – US 1,3 bilhão

 

Construído para jogos de Futebol da NFL, ele já foi utilizado até mesmo pela seleção brasileira de futebol. Sua principal atração é o telão com vista dupla face, bem no alto do campo. Vive batendo recordes de público e é particular, pertence ao dono da franquia Dallas Cowboys, Jerry Jones.

Estádio Olímpico – Montreal, Canadá – 60 mil pessoas – US 1,4 bilhão

 

O estádio foi construído em 1976, para as olimpíadas e somente em 2006, trinta anos depois, conseguiu ser totalmente pago! Nem sequer foi finalizado a tempo pros jogos e só recebeu uma cobertura (problemática, já caiu duas vezes sem machucar ninguém) em 1987.

Isto serve para demonstrar que nem sempre as coisas do Brasil são as piores do mundo, como adoram alardear… O estádio era utilizado pela equipe de beisebol local, os Expos, que acabaram se mudando para Washington, em 2006, para completar o fiasco.

Wembley – Londres, Inglaterra – 90 mil pessoas – US 1,5 bilhão

 

A mais importante arena inglesa custou uma verdadeira fortuna! Não tiveram pudor de demolir a construção de 1923 e construir um espaço moderno, com teto retrátil, lugares cobertos – tem até assento específico pra quem quer assistir ao jogo enchendo a cara – e outras facilidades.

Yankee Stadium – Nova Iorque, EUA – 50 mil pessoas – US 1,5 bilhão

 

Mais um estádio original veio abaixo para a construção de uma arena moderna. Quase todo o custo foi bancado pelo então proprietário dos Yankees, o bilionário George Steinbrenner. Foram feitos diversos estudos para que diversas características originais fossem mantidas no novo prédio.

O santuário que reúne as relíquias das grandes lendas da equipe, como Babe Ruth e Lou Gering foi mantido praticamente intacto, para alívio dos puristas do esporte do taco. Vale a pena conhecer o empreendimento, mesmo se você não curte beisebol, basta lembrar das histórias contadas pelos filmes de Hollywood.

Postado por Andrew Sousa Formando em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus vinte anos.