O projeto do Qatar para a Copa do Mundo de 2022
7 de abril de 2018

 

A menos de três meses para a Copa do Mundo na Rússia, países que não se classificaram para esta edição já começam o projeto para estarem no Qatar, próximo país-sede da maior competição do mundo, em 2022.

Seleções como Itália, Chile e Estados Unidos sofrem por não estarem acostumados com a ausência no mundial. Outras, começam o planejamento para brigarem por uma vaga surpresa daqui quatro anos.

E em um mundo paralelo, está a seleção do Qatar. Eles nunca participaram de uma Copa do Mundo, e, em sua primeira participação, já é a primeira equipe classificada para dois grandes torneios entre seleções – além do mundial, o país sediará a Copa das Confederações.

Criada em 1970, a Associação de Futebol do Qatar nunca esteve melhor. Embora haja grandes preocupações com a quantidade de estrangeiros no time principal da seleção, é visível a melhora e a introdução dos jogadores do país no mercado internacional. 

A IMPORTÂNCIA DE XAVI

Xavi e Hassan Al Thawadi, secretário-geral do Supremo Comitê de Entrega e Legado do Catar (Foto: Alex Grimm/Getty Images)

Para fortalecer o futebol nacional, o Al Sadd contratou um dos jogadores mais inteligentes de toda a história: Xavi Hernandez. Depois de vencer a sua terceira Liga dos Campeões, em 2015, o espanhol se transferiu ao futebol árabe.

Xavi, em uma entrevista para o El País, demonstrou sua visão sobre o jogo. Todos que leram conseguiram ver o quão singular é o espanhol perto de outros jogadores.  

O pupilo de Guardiola segue os passos de seu mestre, pois o atual treinador do Manchester City teve uma passagem por times do Qatar no começo deste século, e deu início aos seus estudos para se tornar comandante do Barcelona anos depois.

Hoje em dia, com 38 anos, Xavi tem algumas experiências com a base do país. Ele sempre procurou estudar o jogo, seja analisando o seu adversário ou em cursos e especializações.

Depois de três anos no Qatar, e com todo o desenvolvimento depois de sua chegada, o ídolo do Barcelona já parece ser o principal nome para ser o treinador da seleção Qatariana.

O craque já recebeu o surpreendente pedido. Hassan Al Thawadi, secretário-geral do Supremo Comitê de Entrega e Legado do Catar (SC), convidou o atleta para comandar a equipe. O espanhol aumentou o rumor após dizer que “gostaria de ajudar o país de algum jeito em 2022”.

Desde quando chegou, o futebol nacional mudou muito. O embaixador da Copa do Mundo de 2022 vivencia diariamente o progresso dos jovens jogadores do país.

ASPIRE ACADEMY

Xavi apoia o “Aspire Academy”, e sempre está envolvido nos seus eventos

Xavi apoia o “Aspire Academy”, e sempre está envolvido nos seus eventos. Este projeto tem como objetivo a procura e o desenvolvimento dos melhores jovens jogadores do Qatar. Através de muito investimento e estudo, resultados já foram vistos em 2014.

O time nacional sub-19, que venceu o campeonato continental e classificou para a Copa do Mundo sub-20, tinha, em geral, jogadores da “Aspire Academy”. Grande maioria desses atletas poderão estar no mundial representando país-anfitrião.

Akram Afif é um deles. O primeiro jogador do Qatar a jogar em uma liga de expressão na Europa, ao se transferir ao Villarreal em 2016/17, é considerado um dos mais promissores jogadores do país. Atualmente, o atacante é companheiro de Xavi na busca do título da Liga dos Campeões da Ásia.

ÚLTIMOS DESEMPENHOS

Rodrigo Tabata (camisa nove), ex-Santos, jogou as eliminatórias pelo Qatar (Foto: Reprodução/Twitter)

Nas eliminatórias, o Qatar entrou na segunda fase por ser o quinto melhor time do continente no ranking da FIFA. Foi a primeira colocada no grupo C, após sete vitórias e um empate em oito jogos.

Foram 29 gols a favor e quatro contra em um grupo que tinha China, Hong Kong, Maldivas e a pior equipe das eliminatórias, o Butão, que tomou mais de cinquenta gols, tendo a maior goleada desta edição na partida contra o Qatar ao perder por 15 a 0. A seleção do país sede da próxima Copa foi eliminado na terceira fase, sendo a última do seu grupo com sete dos trinta pontos possíveis.

O futebol também tem crescido no país, muito esportista. Com a posse do Paris-Saint Germain pelo qatari Nasser Al-Khelaifi, o povo prestou ainda mais atenção no jogo.

Segundo Gisele Pezente, em um texto para o site Brasileiras pelo Mundo, “o futebol no Qatar tem ganhado grande destaque no cenário esportivo do país. O povo é apaixonado pelo futebol e, se esse ainda não é o esporte mais popular por aqui, tem tudo para se tornar. O futebol e sua capacidade de arrastar multidões tem ganhado seu espaço no mundo árabe”.

Postado por Rafael Brayan Torcedor do Corinthians e adepto do jogo inglês, sou apaixonado pelo futebol bem jogado. A única coisa que pode ser comparado a assistir um bom jogo é uma conversa sobre este esporte com bola.