O projeto do Botafogo-SP para estar entre os grandes do Brasil
5 de outubro de 2018
Categoria: Futebol e Nacional

O estádio do Botafogo-SP será um grande modelo para os grandes palcos do futebol brasileiro

A gestão de clubes de futebol no Brasil nunca foi exemplar. Diversas falhas ficam evidentes no decorrer de cada temporada. Planejamento a longo prazo dificilmente aparece por aqui – e, quando se cria, não continua até o fim.

Entretanto, há alguns anos, um clube paulista vem tendo um projeto promissor. O Botafogo-SP conseguiu fazer uma boa campanha nesta temporada, e isso não é o ponto final do que o clube pretende fazer em um futuro bem próximo.

No último mês, a Série C do Campeonato Brasileiro foi decidida. A partida entre Botafogo de Ribeirão Preto e o xará da Paraíba, em solo paulista, válida pelas quartas de final da terceira divisão, causou grande alvoroço no interior do Estado de São Paulo. E não é para menos. O time vencedor estaria classificado à final da competição e conseguiria sua passagem para a Série B.

A menos de 50 dias de seu centenário, os mandantes acabaram vencendo e subindo de divisão após disputa de pênaltis. Os ribeirão-pretanos festejaram a grande vitória de um projeto promissor. Sim, a Pantera Negra estará na segunda divisão do Campeonato Brasileiro de 2019 – e tudo isso graças a um bom planejamento.

Parceria com FEA-USP

 

“O planejamento estratégico começou com um mapeamento dos ambientes interno e externo do clube. A partir daí, são traçados objetivos gerais e de longo prazo. A missão do clube ser o Orgulho de Ribeirão e Celeiro de Campeões; e a visão de tratar o Botafogo como maior clube do interior do Brasil condensam esses objetivos”

 

Essa frase foi dita por Daniel Pitta Marques. Ele foi, ao lado de Henrique Dias e Rafael Magno, entre outros, uma das pessoas que estiveram à frente do trabalho do Botafogo junto com a empresa junior da USP de Ribeirão Preto.

Em sua tese de doutorado para a Universidade de São Paulo, que é intitulada “Administração de clubes de futebol profissional: proposta de um modelo específico de governança para o setor”, Daniel afirma:

 

“Os clubes de futebol nacionais, de modo geral, enfrentam problemas de gestão e financeiros. As boas práticas de governança podem ser uma resposta para esses problemas ao colaborar com a reconstrução administrativa e financeira dessas organizações. Entretanto, algumas adaptações podem ser necessárias nesse processo, devido às especificidades do setor, principalmente quando se considera que os tradicionais códigos de governança corporativa tendem a ser mais direcionados para organizações com finalidade lucrativa e capital aberto, enquanto a maior parte dos clubes nacionais é constituída juridicamente no formato de associação”.

 

Foi com esta ideia que a parceria foi criada entre alunos, professores e clube. A ideia do Botafogo-SP é estar entre os trinta maiores times do país em poucos anos.

A empresa JuniorFEA teve, por seis meses, a tarefa de identificar os problemas e elaborar ações que visavam melhorar a área de marketing e de finanças da equipe, e tentar potencializar um projeto de intercâmbio que rendia muito bem financeiramente ao clube anos antes.

Parceria internacional

Como muitos consideram o Brasil o berço do Futebol Bonito, diversos atletas mirins vêm para cá fazer um período de intercâmbio, e o Botafogo/SP sempre foi um dos clubes que recebia os atletas estrangeiros. Era uma renda extra que ajudava – e muito – o clube, já que recebiam apenas os direitos de transmissão da TV e as outras receitas do Campeonato Paulista.

Entretanto, com o passar do tempo, este projeto já não estava dando lucro. O método de precificação estava com falhas. Com isso, era necessário algo novo para conseguir colocar as contas em dia, já que havia perdido até o estádio Santa Cruz há algum tempo.

O Botafogo-SP fechou um contrato com a Adidas em 2014. Algo incrível para um clube que nunca esteve na elite do Brasil. Mas antes desta negociação, o time do interior paulista conseguiu um acordo com jovens atletas na China.

Como a empresa de roupas esportivas queria entrar no mercado do país asiático, devido aos diversos investimentos da China no esporte, focando ser potência no futebol, acabou encontrando nos brasileiros uma boa ponte para vender mais no outro lado do mundo.

“Parecia que estava tudo dando certo, que o Botafogo ia voltar a receber muito dinheiro com este processo de intercâmbio. Só que tudo começou a desandar. Até que tomaram o Centro de Treinamentos onde o clube fazia este projeto, que na verdade nem era deles”, afirmou Vinicius Cedrick, aluno de administração que fazia parte da equipe da FEA-RP da USP.

No ano passado, o Botafogo/SP terminou o contrato com a Adidas. Passaram, devido a inviabilidade da antiga negociação, a ser patrocinados pela Numer, que era novidade no mercado. Nesta temporada, a Kanxa assumiu como patrocinadora dos uniformes da equipe.

O baque: a morte de Henrique Dias

Henrique Dias era um dos grandes nomes da gestão do Botafogo-SP

Tudo andava muito bem nos projetos do Botafogo/SP. Porém, no final do ano passado, o ex-diretor do clube de Ribeirão Preto, Henrique Dias, faleceu.

“Depois que o Henrique morreu, parecia que tudo ia para o lixo. [O projeto de consultoria da FEA/RP] Estava pronto para ser apresentado aos presidentes e dirigentes do clube. Sem o Henrique, não teve mais nenhuma iniciativa para implementar todo o projeto que havíamos criados. Eu até tinha sido convidado por ele para fazer parte da equipe quando voltasse de férias. Infelizmente, ele faleceu antes”, disse Cedrick.

O projeto de intercambio do clube que os alunos da Universidade de São Paulo pretendiam colocar em prática após tanto tempo de estudo não avançou. Deixado de lado após a morte de Henrique Dias, o foco do Botafogo-SP mudou.

Botafogo S.A

Agora, os projetos parecem estar cada vez mais profissionais. Gustavo, filho de Sócrates, e o presidente Gerson Engracia Gárcia encabeçaram o projeto do Botafogo como empresa.

Foram vendidos 40% do clube para sócios, tendo o clube como o sócio majoritário. Um grupo de empresário se juntou e agora participa das decisões do time de Ribeirão Preto extra-campo.

“O Botafogo não está à venda. Não será uma terceirização, não teremos um sócio do clube, um dono, nada disso. Será uma gestão conjunta. O nosso projeto é ter uma S/A e acionistas apenas na gestão do futebol. O clube continua existindo com seu CNPJ, Conselho, estádio. O patrimônio do Botafogo continua sendo do Botafogo. A empresa vai gerir o que toca ao futebol e as receitas e despesas oriundas dele”, afirmou o presidente em entrevista para o GloboEsporte.com.

Potencialização do uso do estádio

Os Panteras lançaram sua própria cerveja, que será vendida durante os jogos do clube em casa (Foto: Agência do Botafogo-SP)

“O clube estava com uma dívida ferrenha, com chances até de perder o estádio”

 

A frase foi dita pelo aluno de Administração da USP de Ribeirão Preto, que também participou da parceria da FEA/RP com o clube botafoguense, Vinicius Cedrick.

Após anos difíceis, o projeto promissor do time voltou a dar certo. Agora, o estádio Santa Cruz tem um nome diferente. O Botafogo conseguiu vender os Naming Rights do palco de seus jogos, que passará a se chamar Arena Eurobike.

Além do nome, todo o entorno da casa do Botafogo/SP faz parte do projeto de Adalberto Batista, ex-diretor de futebol do São Paulo. Eles conseguiram trazer uma filiada da empresa estadunidense Hard Rock Café para o estádio, além de outras lojas e bares na vizinhança.

“A marca do time está crescendo muito. Os torcedores estão se identificando com o clube da cidade. O jogo contra o xará da Paraíba [válido pela quarta-de-final da série C] mostra bem o quanto que o clube vem tendo uma nova identificação com a torcida. Foi algo enlouquecedor aquele jogo, todos animados com a possibilidade de o clube conseguir a classificação histórico. Após o jogo, a festa foi gigante”, completou Vinicius Cedrick.

Agora, para o próximo ano, o Botafogo de Ribeirão Preto se sente confiável para continuar brilhando.

O dinheiro está entrando, os aportes financeiros estão aparecendo. Eles estão com o projeto de estar entre os 30 melhores clubes do Brasil – e o primeiro passo já foi dado, quando o Botafogo conseguiu se classificar para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro de 2019. Com isso, receberão também o dinheiro da televisão e poderão, assim, continuar com o planejamento.

Postado por Rafael Brayan Torcedor do Corinthians e adepto do jogo inglês, sou apaixonado pelo futebol bem jogado. A única coisa que pode ser comparado a assistir um bom jogo é uma conversa sobre este esporte com bola.