MODÃO CAIPIRA #64 – Acesso duplo do interior paulista
1 de setembro de 2018
Categoria: 4-3-3 e Modão Caipira

 

No último domingo, Bragantino e Botafogo de Ribeirão Preto conquistaram o acesso para a Série B de 2019. Enquanto o Braga passou com facilidade pelo Náutico, vencendo por 3×1 em casa e segurando o empate por 1×1 em Pernambuco, o Botafogo suou sangue para bater seu xará paraibano, conseguindo o gol que levou para as penalidades aos 47′ do segundo tempo na partida em Ribeirão Preto. O Pantera voltará para a Série B depois de mais de 15 anos, já o time de Bragança Paulista volta após passar duas temporadas na Série C.

A Série C possui um critério de regionalização de seus grupos, com os clubes de sul/sudeste ficando no Grupo B (nesse ano, o Cuiabá também fez parte deste grupo), portanto os dois, que eram os únicos representantes paulistas, ficaram neste grupo. A primeira fase terminou com o Botafogo na liderança e o Bragantino em quarto – Cuiabá e Operário foram os outros dois classificados. O detalhe curioso é que os quatro clubes que conquistaram o acesso, estavam no Grupo B nessa temporada.

Primeiro, contaremos a história do acesso do Massa Bruta. No primeiro semestre, o time já dava mostras que o ano tinha tudo para ser bom, com a classificação para as quartas de final do Paulistão, onde caiu para o campeão Corinthians. Na primeira fase da Série C, apesar de ter terminado na quarta posição fez uma campanha tranquila, passando praticamente o campeonato todo na zona de classificação para o mata-mata. E garantiu sua vaga com uma rodada de antecedência, empatando com o Operário em Ponta Grossa, e finalizou a fase inicial com 29 pontos. Com a quarta colocação garantida, se credenciou a enfrentar o Náutico, que apesar de ter sido o líder do Grupo A, fez apenas dois pontos a mais que o Bragantino na fase inicial.

Na primeira fase, a força ofensiva da equipe de Marcelo Veiga não foi tão grande. Fez apenas 21 gols, sendo o 11º melhor ataque da primeira fase – Matheus Peixoto e Adriano Paulista fizeram quatro cada, e foram os artilheiros do time nessa etapa. Porém, a defesa tomou apenas 16 gols, a terceira menos vazada, e esse equilíbrio foi o ponto chave do Braga na competição. O goleiro Alex Alves, que já havia feito ótimo Paulistão, foi novamente um dos destaques. Nomes conhecidos no interior, Guilherme Mattis e Lázaro formaram a dupla de zaga na maioria das partidas e também foram bem na competição. O detalhe é que o Bragantino disputa a Copa Paulista simultaneamente, com uma espécie de “Time B”, como mostramos no último Modão Caipira, e em algumas partidas o time que disputa a competição estadual teve reforços do time principal que estavam suspensos.

O primeiro jogo das quartas de final foi disputado no Nabi Abi Chedid, casa do campeão paulista de 1990, para um público de mais de 3500 pessoas. E o time da casa não decepcionou. No primeiro tempo Vitinho (aos 29′) e Marquinhos (aos 46′) abriram vantagem e fizeram a alegria do torcedor. Na segunda etapa, o lateral Fabiano fez o terceiro ainda aos 10′, e Ortigoza diminuiu o prejuízo dos pernambucanos aos 27′. Mas a vantagem do time paulista era muito grande, e foi para o jogo na Arena Pernambuco podendo perder por um gol de diferença para confirmar o acesso. Mesmo com um público de mais de 27 mil pessoas, conseguiu mais uma grande atuação e saiu na frente com gol de Matheus Peixoto, que praticamente garantiu o acesso aos 32′ do primeiro tempo. No final do jogo, Wallace Pernambucano empatou, mas a festa era alvinegra na casa do Timbu.

Teve até carreata em Bragança Paulista pra comemorar o acesso (Foto: Divulgação/CA Bragantino)

Se o Bragantino fez a quarta melhor campanha do Grupo B e acabou tendo certa facilidade no mata-mata do acesso, a vida do Botafogo foi completamente diferente. Na fase inicial, a melhor campanha entre os 20 clubes, e nas quartas de final, um sufoco enorme. Mas o final foi igual, e a torcida de Ribeirão Preto também vibrou com o acesso. No Paulistão, chegou pela segunda vez consecutiva às quartas, e nesse ano deu um trabalho gigante para o Santos, empatando duas vezes por 0x0 e sendo eliminado nos pênaltis. Na Série C, o time treinado por Léo Condé entrou disposto a manter o bom futebol apresentado no estadual, e conseguiu. Entrou no G4 na segunda rodada, e não saiu mais dali até o fim da fase inicial, garantindo a vaga para o mata-mata com três rodadas de antecedência, e alcançando a liderança na última rodada, empatando com o Tombense em Minas Gerais e contando com a derrota do Operário para o Luverdense.

As dez vitórias, somadas com cinco empates e três derrotas, levaram a equipe aos 35 pontos na primeira fase, onde teve o segundo melhor ataque, com 30 gols marcados, e a segunda melhor defesa, com apenas 14 sofridos. Os dois maiores artilheiros da primeira fase foram do Botafogo –  Caio Dantas fez 10 gols, enquanto Felipe Augusto marcou 9 vezes.

O quarto colocado do Grupo A foi o Botafogo da Paraíba, e o Pantera viajou até João Pessoa para enfrentar o Belo no Almeidão lotado. Num jogo bastante tenso, com chances para os dois lados, o goleirão Tiago Cardoso brilhou ainda no primeiro tempo, ao defender a cobrança de pênalti de Marcos Aurélio (aquele!), mas no segundo tempo, o meia Juninho conseguiu vencer o goleiro do time paulista, fazendo o único gol da primeira partida e deixando os paraibanos em vantagem. Para o jogo de volta, a torcida do Tricolor de Ribeirão Preto lotou o Santa Cruz, com quase 24 mil pessoas para empurrar o time rumo a virada e o acesso. Assim como o jogo no nordeste, a decisão também começou tensa, e se arrastou assim durante todo o tempo. No segundo tempo, o Belo ficou com um a menos, com a expulsão de Fábio Alves, e a pressão do time paulista só aumentou. No apagar das luzes, o artilheiro Caio Dantas recebeu na entrada da área e marcou o gol da salvação, que levou a partida para as penalidades.

 

Com o psicológico a favor, e a forçada torcida, a equipe paulista entrou mais inteira na disputa de pênaltis. Os três primeiros de cada time converteram suas cobranças (Gedeílson, Leandro Kível e Daniel para o Belo; Tchô, Caio Dantas e Yuri para o Pantera), mas na quarta cobrança Juninho bateu na trave. Everton Santos teve a chance de colocar o time mandante em vantagem, mas bateu muito mal e Saulo defendeu. Marcos Aurélio fechou a série para o time paraibano, e assim como no tempo normal da primeira partida, teve sua cobrança defendida por Tiago Cardoso. Coube a Felipe Augusto bater o pênalti derradeiro, para confirmar o acesso, e ele não decepcionou. Depois de muito tempo,o Botafogo está de volta à Série B, e confirma a reestruturação dos últimos anos, que começou com o título da Série D em 2015 e passou por boas campanhas no estadual, até chegar ao acesso conquistado no último fim de semana.

Goleiro Tiago Cardoso foi herói (Foto: Raul Ramos/Agência Botafogo)

Porém, o campeonato ainda não acabou! Nas semifinais, o Botafogo enfrentará o Cuiabá, que conseguiu o acesso no confronto com o Atlético Acreano. O primeiro jogo será no domingo, na Arena Pantanal. A decisão da vaga para a final será no Estádio Santa Cruz, dia 08 de setembro. Já o Braga enfrentará o Operário, campeão da Série D 2017 e que conseguiu o segundo acesso consecutivo batendo o Santa Cruz. Primeiro jogo será neste sábado no Nabi Abi Chedid, e a volta acontecerá no dia 09, no Paraná.

Se nenhum paulista for rebaixado na Série B deste ano, a Série C 2019 não terá nenhum representante do estado, já que nenhum dos clubes que estavam na Série D conquistaram o acesso.

Postado por Leonardo Tudela Del Mastre Natural de Sorocaba-SP, amante do futebol do interior paulista e torcedor de São Bento e Corinthians. Além do amor pelo interior, viciado no futebol como um todo. Formado em Processos Gerenciais pelo IFRS.