MODÃO CAIPIRA #63 – Equilíbrio deve imperar na Copa Paulista 2018
7 de agosto de 2018
Categoria: 4-3-3 e Modão Caipira

 

A Copa Paulista 2018 começou nesse fim de semana, e a primeira rodada já deu mostras do que deve ser a tônica da competição – o equilíbrio. Dos primeiros doze jogos, cinco acabaram com o resultado de 1×0, além de serem registrados dois empates. O Grupo 1 tem as presenças de Novorizontino, melhor time do interior no Paulistão 2018 e Mirassol, vice-campão do Torneio do Interior. O Grupo 2, por sua vez, conta com três dos quatro semifinalistas de 2017 (XV de Piracicaba, Ferroviária e Inter de Limeira). No Grupo 3, destaque para o Santos, que jogará a competição com seu time B, e para as quatro cidades do ABCD paulista tendo representantes, o que promete acirrar a rivalidade entre Santo André, São Bernardo, São Caetano e Água Santa. Já no Grupo 4, a rivalidade entre times da capital é que terá seu capítulo à parte, já que Portuguesa, Juventus e Nacional serão alguns dos integrantes da última chave. Nessa edição do Modão Caipira, vamos destrinchar um pouco mais cada participante, e mostrar as expectativas de cada um na disputa da competição estadual, que dá vaga para a Série D e para a Copa do Brasil 2019 para os finalistas, com o campeão podendo escolher uma das competições, enquanto o vice fica com a vaga que restar.

Começando pelo Grupo 1, vamos falar primeiramente do autor da maior goleada do primeiro fim de semana de disputas – o Votuporanguense, que aplicou um impiedoso 5×0 para cima da Penapolense. A Pantera Alvinegra fez, no início do ano, a melhor participação na Série A2 em sua curta história, ficando com o 8º lugar, e para a disputa da Copa Paulista manteve o treinador Rafael Guanaes. Depois de não disputar a competição em 2017, quer pelo menos igualar as campanhas de 2014 e 2016, quando parou nas quartas de final, e começou da melhor maneira possível. Já a Penapolense, goleada na estreia, vem para a competição sob o comando de Rúbio Alencar, e busca o título para salvar o ano, já que o acesso na Série A2 não veio – o time ficou apenas na nona colocação. Quem também venceu na primeira rodada foi o Olímpia. O Galo Azul, que hoje é treinado pelo rodado Vilson Taddei, fez uma Série A3 muito ruim, se salvando apenas na última rodada, e quer apagar essa má impressão fazendo uma boa campanha na Copa Paulista, onde começou com o pé direito, batendo o Batatais fora de casa, mesmo tendo terminado o jogo com dois atletas a menos. O Fantasma da Mogiana, como é conhecido o Batatais, fez um primeiro semestre muito ruim, ficando na lanterna da Série A2, sendo rebaixado depois de ter chegado bem próximo do acesso para a Série A1 nas últimas duas temporadas. Agora, precisa se reestruturar, e sob o comando do jovem treinador Thiago Oliveira, que já esteve no comando da equipe entre 2015 e 2016, tenta fazer uma campanha ao menos digna na Copa Paulista.

O Votuporanguense foi o responsável pela maior goleada da rodada – 5×0 na Penapolense (Foto: Divulgação/CAV)

Os outros dois times do grupo, disputaram o Paulistão no primeiro semestre e jogaram a Série D 2018. Mirassol e Novorizontino se enfrentaram no Maião, e o Leão venceu o Tigre por 1×0. O Mirassol, que não conseguiu a classificação para a segunda fase no Paulistão, acabou sendo vice-campeão do Torneio do Interior. Na Série D, porém, fez má campanha, sendo eliminado na primeira fase e desperdiçando a chance do acesso. A Copa Paulista, então, acaba sendo a última oportunidade para o time comandado por Moisés Egert, que segue a frente do Leão desde 2016, conquistar a vaga em competições nacionais na próxima temporada. Já o Tigre de Novo Horizonte, faz temporada melhor que seu adversário da estreia. O Novorizontino participa pela primeira vez da Copa Paulista, após ter feito grande campanha no Paulistão, onde se classificou para a segunda fase com a terceira melhor campanha no geral, caindo nas quartas de final como o melhor interiorano da competição, já garantindo vaga para a Série D 2019. Na disputa nacional desse ano, chegou até as oitavas de final, sendo eliminado pelo Linense. Willian Sander assumiu depois da eliminação, e busca fazer boa campanha, para finalizar o bom ano da equipe em grande estilo – e para tentar se manter no comando para a próxima temporada.

O Grupo 2, que também teve a primeira rodada disputada nesse final de semana, é considerado por muitos como o mais forte, muito pelo fato de ter três dos quatro semifinalistas da edição de 2017 da Copa Paulista, e também da maioria do grupo ser de camisas tradicionais no cenário estadual. O único time que venceu na rodada foi o Rio Claro, que bateu o Noroeste por 1×0. O Galo, que fez campanha razoável na Série A2, terminando na 10ª colocação, e volta à Copa Paulista depois de ter sido semifinalista em 2016 e ficado de fora em 2017. Sob o comando de Adílson Francisco, busca voltar a disputar uma competição nacional depois de mais de dez anos, já que a primeira e única vez em que apareceu no cenário nacional foi na Série C de 2007. O Noroeste, que vem em processo de reestruturação nas últimas temporadas, aposta em Betão Alcântara para buscar repetir as campanhas de 2005 e 2012, quando foi campeão do torneio estadual. Os últimos dez anos foram de altos e baixos para o Alvirrubro, que esteve na Série A1, entrou em grave crise e chegou a disputar a Segunda Divisão em 2015, mas que agora parece estar voltando a disputar as competições pensando alto. Nesse ano chegou às quartas de final da Série A3, sendo eliminado pelo campeão Atibaia. Os outros dois jogos terminaram empatados: XV de Piracicaba 3×3 Red Bull, e Inter de Limeira 0x0 Desportivo Brasil. A Ferroviária, atual campeã, folgou na rodada inicial. O time de Araraquara, que vem de duas finais consecutivas, e que além do título de 2017 também venceu em 2006, vem para a disputa sendo comandada por Vinícius Munhoz, que substituiu PC Oliveira. Porém, o ano de 2018 vem sendo bem fraco até aqui para os torcedores afeanos, que sofreram com a luta contra o rebaixamento – mais uma vez – na Série A1, escapando por pouco novamente, como nos últimos dois anos. E na Série D, competição que disputou pela primeira vez em 2018, fez campanha pífia, sendo eliminado na primeira fase com apenas 3 pontos em seis partidas. Pela campanha ruim que fez no Paulistão, a única maneira de disputar competições nacionais em 2019, é chegando novamente à final da Copinha nessa temporada. A estreia da Locomotiva será contra o Red Bull, em Campinas.

O empate por 3×3 em Piracicaba foi o jogo com mais gols na primeira rodada (Foto: Antonio Trivelin/Gazeta de Piracicaba)

A Inter de Limeira, que foi vice em 2017, renovou com o experiente João Vallim, que está no comando da equipe desde o início da última temporada, conseguindo o acesso para a Série A2 e a vaga na Copa do Brasil desse ano. Apesar de não ter feito boa campanha no segundo nível estadual, terminando apenas na 11ª colocação, o Leão conseguiu chegar à segunda fase da competição nacional, sendo eliminado pela Ponte Preta. Para a Copa Paulista, espera fazer outra grande campanha, e mostrar que a velha Inter está voltando para ganhar novamente os holofotes no futebol estadual. O Desportivo Brasil, que segurou o empate sem gols em Limeira, vem em boa crescente nos últimos anos. Fundado em 2005, prioriza a base, mas no futebol profissional conseguiu o acesso para a Série A3 em 2016, e nas últimas duas temporadas acabou eliminado nas quartas de final, ficando próximo de subir para a A2. Em 2017 fez sua estreia em Copa Paulista, e chegou longe, parando apenas nas quartas de final, e espera pelo menos repetir a dose em 2018, sob o comando de Edson Paulista. O XV de Piracicaba, semifinalista em quatro das últimas cinco edições da Copa Paulista – sendo o grande campeão em 2016, chega para buscar mais uma grande campanha, para provar que “aprendeu” a jogar a competição. O responsável por tentar levar o XV a mais uma glória, é o treinador Fahel Junior, que treinou o Rio Claro no início do ano, e conta com um elenco muito diferente do que o clube tinha no início do ano, quando chegou à semifinal da Série A2, ficando a um passo do acesso ao ser eliminado pelo Guarani. Quem conseguiu segurar o Nhô Quim em Piracicaba na rodada inicial foi o Toro Loko de Campinas. O Red Bull Brasil aposta na continuidade do trabalho de Ricardo Catalá a frente da equipe, apesar de não ter feito grande trabalho na Série A1, caindo na primeira fase e não conseguindo o objetivo inicial, de alcançar novamente as quartas de final e a vaga na Série D. Contudo, a vaga para a competição nacional ainda pode vir via Copa Paulista, e até por ter mantido boa parte do elenco do primeiro semestre, o RBB aparece como um dos favoritos a chegar longe e, quem sabe, repetir o feito de 2010, quando chegou à final da competição, no ano em que estreava nela.

O Grupo 3 promete ser bastante quente, pois serão disputados diversos jogos entre rivais regionais. O primeiro, aliás, já foi disputado na rodada de abertura, entre Santo André e Água Santa, de Diadema. O Ramalhão levou a melhor, numa tranquila vitória por 3×0. O Santo André, aliás, que volta a disputar a Copa Paulista depois de ter sido campeão em 2014 e ficado de fora das últimas três edições. No Paulistão desse ano, fez campanha muito ruim e acabou rebaixado para a Série A2 depois de dois anos na elite. E com elenco completamente renovado, além de novo comandante – José Carlos Palhavam foi confirmado no comando da equipe principal, o Ramalhão promete vir forte para tentar salvar a temporada. Já o Água Santa também vem de um fraco primeiro semestre, onde lutou contra o rebaixamento na Série A2, se salvando apenas nas últimas partidas. O Netuno, que teve uma ascensão repentina, conquistando três acessos em sequência entre 2013 e 2015, chegando à elite estadual, foi rebaixado em 2016 e tenta retomar o caminho das glórias desde então. Nas duas últimas edições da Copa Paulista, parou na segunda fase, e para esse ano, treinado por Antônio Carlos, que estava à frente das categorias de base do clube, visa o título e a vaga para competições nacionais pela primeira vez na sua curta, mas vitoriosa história. Outra equipe do ABCD que venceu na estreia foi o São Caetano, que bateu o Bragantino por 3×0. O Azulão vem empolgado depois fazer boa campanha na sua volta à elite estadual, chegando até as quartas de final e garantindo vaga na Série D 2019. Na última Copa Paulista ficou nas quartas de final, e nessa edição busca o título inédito, mas principalmente usa o torneio para testar peças visando a próxima temporada, conforme afirma o treinador Pintado, que foi mantido no cargo após o Paulistão. Derrotado pelo Azulão na estreia, o Bragantino começa a competição com uma espécie de “time B”, já que está disputando a Série C do Brasileirão simultaneamente – e nesse final de semana, garantiu sua vaga para o mata-mata, onde vai lutar pelo acesso. Enquanto ainda estiver na disputa nacional, disputará a Copa Paulista com um time alternativo, sob o comando de Sérgio Ricardo, enquanto Marcelo Veiga treina o time principal. Alguns jogadores que estiverem suspensos na Série C, ou voltando de lesão, jogarão com o time alternativo, para reforçar a equipe na disputa estadual. O presidente afirma que utilizará a competição como laboratório, como fez em 2016 quando chegou às quartas de final e montou um bom time para a temporada posterior, quando conseguiu o acesso para a Série A1.

O Taubaté conseguiu grande vitória contra o São Bernardo, fora de casa (Foto: Bruno Castilho/EC Taubaté)

O outro jogo do grupo foi disputado por Taubaté e São Bernardo, com vitória do Burro da Central por 1×0. O Taubaté, que vem para a disputa sob o comando do rodado Marcelo Martelotte, quer fazer melhor do que nas suas últimas três participações, quando caiu na primeira fase. No primeiro semestre, fez uma boa Série A2, terminando na 7ª posição, conseguindo o objetivo inicial de se manter no segundo escalão do futebol paulista. O São Bernardo, por sua vez, ficou muito próximo de voltar para a Série A1, caindo nas semifinais da A2 para o Oeste. Agora, entra na Copa Paulista comandado pelo rodado Wilson Júnior, para tentar dar alegria para a torcida, que quase comemorou o acesso no início do ano. Nos últimos dois anos, ficou de fora do torneio, e nas últimas duas participações – 2014 e 2015 – acabou parando na segunda fase. Apesar de ter começado mal, sendo derrotado em casa, a diretoria e a comissão técnica acreditam que pode repetir o feito de 2013, quando ficou com o título. Quem folgou na rodada inicial foi o Santos, que assim como nos últimos anos manda a campo um time repleto de jovens, utilizando a competição como laboratório, para testar jogadores que vem da categoria de base e que dependendo das atuações, podem integrar o elenco principal na próxima temporada. Quem comanda a equipe é Leandro Mehlich, acostumado a trabalhar com categorias de base, e que esteve no comando do Audax no início do ano, e a estreia do Peixe será contra o Bragantino, fora de casa.

O Grupo 4 é formado por três tradicionais equipes da capital – Portuguesa, Juventus e Nacional, além de Atibaia, Audax, Taboão da Serra e Ituano. A primeira partida do grupo, que foi também o jogo de abertura da competição, foi disputada por Audax e Taboão, com vitória do time de Osasco por 4×1. O Grêmio Osasco Audax vem de temporadas bem ruins, depois de ficar perto da glória em 2016, quando foi vice-campeão paulista. No ano passado caiu para a Série A2, e nesse ano foi novamente rebaixado, e disputará a Série A3 em 2019, numa queda repentina e inesperada. Em 2012 e 2013 chegou à final da Copa Paulista, ficando com o vice nas duas ocasiões, e dessa vez o técnico Maxsandro precisará surpreender a todos para levar o time longe na competição. O Taboão da Serra, derrotado na estreia, vem de temporadas positivas, e no início desse ano fez uma Série A3 mediana, terminando na 10ª posição. Na Copa Paulista do ano passado, chegou à segunda fase pela primeira vez em sua história, e quer pelo menos igualar a campanha, comandado pelo técnico Sandro Sargentim. Para isso, precisará mostrar futebol bem melhor do que apresentou na estreia. Quem também venceu na estreia foi a Portuguesa, que bateu o Nacional por 1×0 no Canindé com um golaço de bicicleta do atacante Matheus. A Lusa em 2018 não disputou nenhuma divisão do campeonato brasileiro pela primeira vez em quase 40 anos, após ter caído na primeira fase da Série D 2017 e não ter conseguido vaga para a edição dessa temporada pelas competições estaduais. Num calvário que parece não ter data para terminar, a equipe fez mais uma má campanha na Série A2, ficando longe do acesso novamente, e em 2019 vai para a quarta temporada seguida no segundo nível do futebol estadual, e a Copa Paulista é a única esperança de conseguir voltar ao cenário nacional na próxima temporada. Allan Aal permaneceu no comando após o término do campeonato paulista, e precisa superar a campanha do ano passado, quando a Lusa chegou até a semifinal. O Nacional, por sua vez, chega embalado para a disputa desse segundo semestre. O campeão da Série A3 2017 fez bonito em sua volta à A2, e terminou na quinta posição, a um ponto de chegar ao mata-mata do acesso. Na última edição da Copa Paulista, porém, acabou caindo na primeira fase, e neste ano vem com o discurso de chegar longe na competição, para dar ainda mais alegrias aos torcedores do Naça. A última aparição do clube paulistano no cenário nacional foi na Série C de 2000, e o técnico Ricardo Perpétuo tem a missão de colocar a equipe novamente em competições nacionais.

O gol de bicicleta de Matheus foi um dos lances mais marcantes da rodada inicial (Foto: Everton Calício/Portuguesa)

O outro clube da capital foi derrotado em casa na estreia. O Juventus perdeu para o Atibaia por 1×0 na Rua Javari, e começou mal sua participação no torneio. O Moleque Travesso fez campanha fraca na Série A2 dessa temporada, se salvando do rebaixamento por apenas dois pontos, e nos últimos quatro anos parou na primeira fase da Copa Paulista. Para tentar quebrar esse pequeno, mas incômodo tabu, o ex-atacante Alex Alves que começou e encerrou sua carreira na Javari é o responsável por treinar a equipe, que desde 2008 não sabe o que é jogar uma partida por competições nacionais. Já o Atibaia, que aprontou pra cima do Moleque Travesso, vem muito embalado para a disputa da Copa Paulista. Um dos caçulas do torneio, foi fundado em 2005 e vem em grande crescente nas últimas temporadas. Essa ascensão foi coroada com o título da Série A3 nessa temporada, e a oportunidade de disputar a Série A2 pela primeira vez em 2019. O técnico Carlão, efetivado no cargo menos de um mês antes do início da competição, promete brigar pelo segundo título na temporada, e começou bem nesse objetivo. Quem folgou na rodada inicial pelo Grupo 4 foi o Ituano. O Galo de Itu, que manteve o técnico Vinícius Bergantin no cargo após o 10º lugar no Paulistão, volta à Copa Paulista após ter abdicado da vaga em 2017. Em 2018 não disputou nenhuma competição nacional, e como não fez um bom campeonato paulista, precisa repetir a campanha de 2015, quando foi finalista da Copa Paulista, sendo derrotado pelo Linense. A estreia do Galo será contra o Nacional, na capital paulista.

Desses 27 times, os dois melhores se enfrentarão em final marcada para 02 de dezembro, e quem vencer a final, além de colocar mais um troféu na galeria do clube, escolherá a competição nacional que deseja disputar na próxima temporada. Normalmente, a escolha é pela Série D, que pode se transformar num acesso e garantir calendário por mais temporadas para a equipe. Mas isso só vamos descobrir no início de dezembro, até lá nos resta acompanhar e torcer!

Postado por Leonardo Tudela Del Mastre Natural de Sorocaba-SP, amante do futebol do interior paulista e torcedor de São Bento e Corinthians. Além do amor pelo interior, viciado no futebol como um todo. Formado em Processos Gerenciais pelo IFRS.