MEMÓRIA FC #11 – O Nordeste na América
10 de agosto de 2015
Categoria: 4-3-3 e Memória FC
Imagina que louco se o único time do nordeste a chegar em uma final intercontinental não fosse os tradicionais Sport, Bahia, Ceará, Santa Cruz ou Fortaleza e sim o CSA de Alagoas?
Meu amigos, aconteceu!
Não faz tanto tempo assim, já que estamos falando de praticamente 16 anos atrás, em 1999 na última edição da extinta copa Conmebol .
Naquele ano em específico, a maioria dos grandes clubes brasileiros deu preferência a outros torneios (brasileirão, copa mercosul, etc..). Com isso, após a desistência de Vitória, Bahia e Sport, foi dada ao CSA a chance de disputar pela primeira vez na sua história um torneio internacional, pois o time alagoano havia sido semifinalista da copa do Nordeste do ano em questão.
O CSA, que já havia sido eliminado da terceira divisão daquele ano, entrava como franco atirador um uma competição que contava com clubes de todo o continente praticamente, no primeiro confronto o CSA acabou batendo um outro brasileiro dentro do estádio Rei Pelé, o Vila Nova de Goiás por 2×0 e naquele dia surgia um nome que você ainda vai ler mais abaixo, o atacante Misinho que inclusive foi o autor de um dos gols na estréia.
No jogo de volta em Goiás, o Vila Nova acabou descontando o placar de 2×0 porém perdeu nos penais por 4×3 e enfim pela primeira vez o CSA faria sua primeira viagem fora dos solos tupiniquins, iria para a Venezuela para enfrentar o time do Estudiantes de Mérida.
Com alguns percalços para viajar, como a ausência de passaporte (e até de certificado de reservista) para os jogadores, o CSA conseguiu chegar de ônibus para o duelo que terminou com um empate apático e sem gols entre os dois times, já em Maceió o jogo de volta foi mais agitado e com nada mais nada menos que 6 expulsos (4 do time venezuelano e 2 do time brasileiro),  o CSA venceu pelo placar de 3×1 e avançou na competição, o sonho ficava mais perto de se tornar realidade, o adversário era o São Raimundo, do Amazonas.
A taça quase foi parar no Nordeste

 

Obs: Você deve estar se perguntando  o porque que só tivemos times pequenos nesse torneio, não é?
Pois bem, já expliquei como se deu a participação do CSA e agora tentarei ser claro com os outros, como já disse anteriormente, os times grandes não tinha mais interesse em disputar tal torneio, depois das cenas lamentáveis na final da Conmebol de 1997 entre Atlético MG e Lanús, o Brasil passou a mandar apenas os campeões regionais para a copa, tanto que o no anos seguinte em 1999 o Santos que venceu o Rio-São Paulo acabou campeão daquela edição.
 
Em 99 nenhum clube do eixo rio-sp quis participar, São Raimundo entrou como campeão da copa norte, Vila Nova como campeão da copa centro-oeste e Paraná como vice campeão da copa sul já que o campeão grêmio abdicou.
O primeiro confronto em Manaus terminou 1×0 para os donos da casa, com o revés o time alagoano precisava fazer o resultado em Maceió para ir a decisão  e fez, ganhou por 2×1 e sacramentou a classificação nos pênaltis em uma partida com níveis altíssimos de dramaticidade. O CSA iria para a argentina enfrentar o Talleres na primeira final continental de um time nordestino.
Talleres tinha um elenco recheado de figurinhas carimbadas  possuía Maidana (que viria a ter uma passagem de pouco destaque pelo Grêmio em 2006), Dario Gigena (que ficaria marcado na Ponte Preta após marcar 3 gols contra o Guarani garantindo pontos importantes na luta contra o rebaixamento em 2003), e o Ricardo Gareca técnico do Talleres na época e ex-técnico do Palmeiras.
Os argentinos haviam passado por Independiente Petrolero, Paraná e Deportes Concepcíon respectivamente e chegavam na final com confiança.
Mas, Missinho estava ali.
O atacante de nome engraçado fez nada mais nada menos que 3 gols (um de calcanhar)em 19 minutos de jogo na primeira partida da final em Alagoas, o jogo terminou 4×2 para o CSA e o título já estava encaminhado mas o time alagoano não contava com uma coisa, o tradicional fator casa dos times argentinos.
Logo ao chegar na Argentina a imprensa anunciou que o time de Córdoba teria desejo em comprar alguns dos jogadores do modesto time brasileiro, posteriormente foram impedidos de treinar no estádio olímpico e por isso, não puderam fazer o reconhecimento do campo em que iriam atuar.
Logo aos 4 minutos do jogo de volta, Fabio Magrão acabou sendo expulso de campo por reclamação após tomar um cartão amarelo, dai pra frente foi ataque contra defesa. O time do CSA ainda se segurou muito bem mas aos 39 do primeiro tempo foi inevitável e viraram o 1 tempo perdendo por 1×0.

 

Já no segundo tempo na marca dos 30 minutos o CSA sofre o segundo gol, caso terminasse daquela forma a disputa iria para os pênaltis mas nos acréscimos veio o golpe fatal, Maidana para desespero dos brasileiros marcou o 3 gol que dava o título ao time argentino. E assim terminou o jogo,  3×0 para o Talleres.
E lembram do Misinho? O rapaz foi o artilheiro da copa Conmebol com 4 gols anotados, mas infelizmente veio a falecer em 2014 vítima de câncer (Leia). História triste.
No Brasil, a história não teve e ainda não tem a repercussão que merecia ter por diversos motivos, mas fica aqui minha homenagem a este time que honrou demais o nordeste brasileiro perante a América.

 

Postado por Renan Castro 23 anos, administrador, torcedor do Flamengo, natural de Nova Iguaçu - RJ, fã de aviação e dono de três quadros: Vestindo o Futebol, Ícones Alternativos e Memória FC.