MEMORIA FC #05 – O imortal escocês
10 de maio de 2015

1 Recopa europeia, 33 Copas da Escócia, 27 Copas da liga escocesa e nada mais nada menos que 54 campeonatos escoceses, estamos falando do (The) Rangers. Um dos maiores clubes da Escócia.

Mais de 140 anos de vida, um estádio histórico como o Ibrox e uma torcida apaixonada, o que poderia dar errado?

Má gestão.

O Glasgow Rangers em 2012 possuía mais de 66 milhões de reais em dívidas, valor que para os clubes brasileiros é relativamente normal, pois possuímos clubes com dívidas que triplicam esse valor atualmente. Porém no Reino Unido a história é outra, após as dívidas acumularem, o clube foi comprado pelo empresário Charles Green por cerca de 17 milhões de reais, um valor absurdamente baixo, dado a grandeza que possui o clube de Glasgow.

Entretanto o que parecia um final feliz virou um pesadelo sem precedentes, após comprar o clube, Green prontamente apresentou um plano de viabilidade bancária para a Fazenda Britânica (Hm revenue and Customs) para sanar a divida com o fisco britânico, mas infelizmente a proposta foi recusada pela fazenda. O Rangers declarou falência.

O inacreditável tinha mesmo acontecido, o clube de tantas glórias, tantas taças e honras, estava falido.
O então novo dono do clube foi obrigado a trocar o nome da agremiação, até porque após a liquidação, o nome Rangers não poderia mais figurar entre os clubes profissionais atuantes no país.

Foi fundado o The Rangers Football Club Ltd, que nada mais era que a antiga agremiação com um novo nome, fato que foi contestado pela federação escocesa e pelos clubes pois o The Rangers continuaria na primeira divisão e seria visto como o mesmo clube que outrora havia falido, após uma votação praticamente unânime (25 votos a 5) foi decidido que o novo clube deveria recomeçar do zero, ou seja, voltaria para a quarta divisão profissional escocesa.

Os The Rangers perderam seus principais jogadores, seus principais patrocínios e ficaram impedidos de contratar reforços por 12 meses, existe uma citação no livro Follow We Will: The Fall and Rise of Rangers que reflete muito bem o pensamento dos adeptos no time naquela época:

 “Fãs de outros clubes não queriam que o Rangers fosse simplesmente humilhado; eles o queriam morto. Eles desejavam o fechamento do clube. Eles queriam que as autoridades enfiassem a bota na cara do clube e, com a complacência – aliás, cumplicidade – da mídia, eles gritam pelo que eles chamam de justiça. O fato de não saberem por quais crimes o Rangers era acusado é meramente incidental. Nós eramos culpados de algo, tínhamos que ser, e nós deveríamos ser massacrados por isso.”

David Longmuir, chefe executivo da Liga escocesa também deu a sua declaração sobre o fato:

‘’A decisão foi uma das mais difíceis para todos os envolvidos, mas foi tomada em nome do interesse da justiça desportiva, que é o princípio fundamental da Liga Escocesa de Futebol‘’

E assim se sucedeu, o The Rangers caiu para a última divisão, o fundo do poço.

Acabou por vencer a quarta divisão em 2013 e no ano seguinte venceu a terceira, como já era de se esperar, porém com um time bastante limitado  e convivendo com frequentes cobranças tanto da torcida como do estado, o clube ainda não se encontra estabilizado.

Atualmente está nos playoffs para a primeira divisão, após terminar a segunda divisão atrás de Hearts e Hibernian, inclusive venceu ontem (09/05) por 2-1 o Queen of the South fora de casa pela primeira etapa do playoff classificatório, com a volta marcada para o dia 17/05 jogando para a sua torcida.

O clube que detém 116 títulos oficiais ainda luta para voltar aos anos de glória, é provável que consiga voltar para a Premier League, o que não sabemos é se ainda conseguirá fazer frente ao seu rival centenário, o Celtic.

A única certeza é que sua falência e queda será pra sempre lembrada, seja por rivais para fazer piada ou seja por adeptos afim de exaltar a perseverança do clube.

Como uma fênix, The Rangers vem ressurgindo, se “eles” o queriam morto, devem estar com raiva, pois ele se encontra mais vivo do que nunca.

Postado por Renan Castro 23 anos, administrador, torcedor do Flamengo, natural de Nova Iguaçu - RJ, fã de aviação e dono de três quadros: Vestindo o Futebol, Ícones Alternativos e Memória FC.