Leipzig e Julian Nagelsmann, uma combinação que tem tudo para ser um sucesso
28 de agosto de 2019
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Internacional

 

O RB Leipzig já havia anunciado a contratação de Julian Nagelsmann para ser o técnico da equipe desde a temporada passada, por isso a diretoria manteve Ralf Rangnick, que era diretor do time até então, como técnico interino até o final de 2018/2019. Isso pode ter sido benéfico para Nagelsmann e para os jogadores do Leipzig, visto que os dois técnicos compartilham algumas características entre seus estilos de jogo, como a marcação pressão, a intensidade e a pressão pós-perda da posse de bola.

Julian Nagelsmann nasceu em 1987 e nos tempos de jogador fez parte apenas dos times de base do 1860 Munique e Augsburg. O motivo? O ex-zagueiro foi obrigado a se aposentar com apenas 21 anos de idade, por problemas no joelho, em 2008. Isso, porém, não fez com que o alemão abandonasse o futebol e, ainda no mesmo ano, ele passou a fazer parte do corpo técnico da equipe juvenil do 1860 Munique.

Em 2010, ele se tornou assistente técnico da equipe Sub-17 do Hoffenheim, e no ano seguinte foi promovido a técnico da categoria. Depois de seis anos no clube, a diretoria confiava nele o suficiente para promovê-lo ao cargo de técnico do time principal, já que o treinador à época, o holandês Huub Stevens, teve que deixar o comando da equipe devido a problemas de saúde. A escolha foi muito criticada na época pela mídia alemã, mas a aposta se mostrou muito acertada, pois o jovem Nagelsmann conseguiu evitar o rebaixamento no final de 2015/16, e foi construindo temporada após temporada um time cada vez melhor e taticamente muito interessante.

Ele teve a passagem mais bem-sucedida de um técnico na história do Hoffenheim, levando o time de Sinsheim para uma competição continental, a Liga dos Campeões, pela primeira vez na sua história e fazendo da modesta equipe uma figura carimbada na primeira parte da tabela. Sendo treinado por Thomas Tuchel na base do Augsburg, o atual técnico do PSG definitivamente teve muita influência na filosofia de treinos de Nagelsmann. Pois seu Hoffenheim jogava um tipo vertical de jogo posicional, assim como os times de Tuchel, e com uma boa organização defensiva. Outros dois técnicos que inspiram o alemão são Pep Guardiola e Arsène Wenger por causa de sua filosofia, afirmação feita pelo próprio Nagelsmann, embora ele não siga necessariamente seus estilos de muita posse de bola.

Ataque

Ofensivamente, o Hoffenheim de Julian Nagelsmann utilizava de uma saída de bola construída desde a defesa com o goleiro juntando-se ao trio de zaga. Para colaborar com a participação do arqueiro, o zagueiro central avançava em relação aos outros dois zagueiros para a posição de primeiro volante, formando assim um losango. Esse losango também é formado com a aproximação de um dos meias. Uma das estratégias que o time de Sinsheim utilizava era a chamada “armadilha de pressão ofensiva”, onde a equipe atraia a marcação adversária para o seu campo de defesa, principalmente para laterais e a linha entre a defesa e o meio, para assim ganhar mais espaços para avançar. Para utilizar essas táticas é necessário ter na defesa jogadores que saibam jogar com a bola no pé, tendo muita qualidade no passe e concentração, pois um erro pode causar um gol do adversário.

 

No Leipzig, o treinador também deve utilizar a saída de bola em losango. Nagelsmann tem no Leipzig jogadores capazes de colocarem essa ideia em prática. Gulácsi é um goleiro que sabe jogar com os pés e a zaga possui um trio muito bom, com uma boa capacidade de executar passes, ótimo posicionamento e que demonstra ter muita concentração, mesmo a jovem dupla francesa formada por Upamecano e Konaté. O capitão Willi Órban completa a trinca de defesa. Todos os três tiveram uma boa porcentagem de acerto nos passes na Bundesliga passada, com Konaté acertando 76%, Órban 78%, e Upamecano 82%. Com a equipe adotando um estilo de maior posse de bola nessa temporada essa porcentagem tende a aumentar, já que com Ralf Rangnick a equipe jogava um futebol mais direto e com isso os defensores tinham que realizar mais passes longos, então a porcentagem de acertos tendia a ser menor.

Mas Nagelsmann não utilizava apenas a saída de bola de passes curtos para iniciar suas jogadas do time de Sinsheim, quando a defesa estava muito pressionada ou simplesmente quando os zagueiros, principalmente Vogt, viam uma boa oportunidade de executar um passe longo eles o faziam, ora para encontrar um dos alas bem abertos, para estes levarem a bola para o meio à procura de linhas de passes, ora para o centroavante da equipe que recebia a bola entre os zagueiros e ajeitava, geralmente, para Kramaric, que recuava na entre linha da defesa e do meio, recebia a bola e já abria em um dos lados. Nesse sentido, o técnico alemão contará com um dos melhores jogadores da liga no quesito jogo aéreo: Yussuf Poulsen.

O atacante dinamarquês foi o segundo jogador que mais venceu duelos aéreos na última Bundesliga, foram 142 disputas ganhas pelo alto, o que correspondeu a um aproveitamento de 48% e uma média de 4 por jogo. Então já é possível se desenhar uma jogada onde a defesa faz um lançamento para que ele domine, passe para Werner ou Sabitzer, por exemplo, que recuarão entre as linhas de defesa e meio, e este passe para um dos alas. Os jogadores já estão acostumados com esse tipo de jogada, pelo estilo de jogo do time na temporada passada, então não será problema eles aplicarem essa estratégia com Nagelsmann.

Soberano pelo ar, Poulsen só não ganhou mais disputas aéreas do que Haller na última Bundesliga.

Importância dos alas

Os alas serão uma das principais forças desse Leipzig de Julian Nagelsmann. Tanto o ala direito Lukas Klostermann, quanto o ala esquerdo Marcel Halstenberg são excelentes no apoio e formaram uma das melhores duplas de laterais da temporada passada. Klostermann marcou cinco gols e deu uma assistência no último campeonato alemão, enquanto Halstenberg marcou três tentos e realizou seis assistências. A dupla será responsável por gerar amplitude para a equipe. Os dois são ótimos nos dribles, principalmente Marcel que acertou 68% dos dribles que tentou na Bundesliga passada, e poderão permitir que Nagelsmann utilize outra estratégia que ele aplicava no Hoffenheim que era avançar no campo de ataque através dos dribles dos seus alas, buscando frequentemente o meio para achar linhas de passe.

O que possibilita superioridade numérica e facilita nas triangulações entre, principalmente, ala, meia central e atacante facilitando as infiltrações no half space, que nada mais é que o espaço entre os lados e o centro do campo. Os dois tiveram ótimas porcentagens de acerto nos passes no último campeonato alemão com ambos tendo uma média de 74% de sucesso. Vale destacar também a eficiência dos dois no campo de ataque onde Lukas acertou 67% dos passes realizados no setor e Marcel teve um aproveitamento de 62%. Finalização também é outro ponto forte da dupla que deverá contribuir não somente dando assistências para seus companheiros, como também eles próprios marcando.

A dupla de laterais da seleção alemã deverá ser uma das principais armas do Leipzig de Nagelsmann.

Nagelsmann é um técnico que gosta de ter a bola, mas ao mesmo tempo também prefere que sua equipe passe-a de maneira vertical, então seu Leipzig deverá ser um time com uma transição ofensiva rápida, buscando sempre o meio, para ter condições de finalizar. Seu Hoffenheim foi a equipe que mais atacou pelo centro nas últimas duas Bundesligas, privilegiando jogadores como Kramaric e Dermibay que finalizam muito bem. O Leipzig tem ótimos finalizadores como Werner, Sabitzer e Forsberg que deverão ser muito beneficiados por essa estratégia.

Outra vantagem dessa tática de atacar pelo meio é que caso o centro esteja congestionado ainda haverá os lados do campo para serem explorados pelos jogadores que caírem pelo espaço gerado pelos movimentos dos alas. Então essas deverão ser as principais formas do Leipzig atacar: por troca de passes e utilizando dribles, mas também por bolas longas. Com essas combinações o Leizpig poderá progredir de maneira efetiva até o ataque.

Defesa

Nagelsmann gosta que suas equipes utilizem de uma pressão intensa quando estão sem a bola. No momento pós-perda da posse, tanto para tentar recuperar o mais rápido possível a bola, quanto para atrasar o contra ataque adversário e também quando a equipe já está no momento defensivo, pressionando o adversário ainda no seu campo de defesa, pois para o técnico alemão quanto mais perto do gol adversário você recuperar a bola, mais facilidades você terá para marcar um gol:

Eu gosto de atacar os adversários perto do seu próprio gol, porque o seu próprio caminho para o gol não é tão longo se você pegar a bola mais para cima

Marcação pressão do Leipzig no jogo contra o Union Berlin, na primeira rodada da Bundesliga.

Caso jogue com 3 meias e 2 atacantes o Leipzig de Nagelsmann deverá se armar num 5-3-2 nos momentos defensivos, com os alas se juntado ao trio de zaga e com os meio-campistas e atacantes tendo a função de cortar as linhas de passes do centro forçando os adversários a atacarem pelos lados. Pois fazendo isso eles jogarão o time adversário numa zona mais limitada do campo facilitando a marcação.

Neste início de época, seu Leipzig tem jogado com um trio de ataque, formado por Sabitzer, Poulsen e Werner. Ou seja, o time atua num 3-4-3. Isso faz a equipe ter, ao menos, três formas de se posicionar defensivamente: em 5-2-3, como aconteceu na estreia da Bundesliga e deve ser utilizado contra times mais fracos, em 5-3-2 como aconteceu contra o Frankfurt, com Sabitzer se juntando a dupla de meias e ainda num 5-4-1 que pode ser utilizado contra times mais fortes e perigosos como Bayern, Dortmund e nos confrontos da Champions League.

Contra o Union Berlin o time se posicionou no 5-2-3 nos momentos defensivos.

Utilização de jovens

Nagelsmann é ótimo para trabalhar e lançar jovens no time principal. No Hoffenheim ele desenvolveu alguns ótimos jogadores, como Süle, Geiger e Amiri. E esse aspecto do técnico alemão encaixa bem com a filosofia do Leipzig que gosta de investir em jogadores de pouca idade e o elenco possui bons prospectos que poderão crescer muito com o treinador alemão. No time titular já existem dois jovens que já são ótimos jogadores, a supracitada dupla de zagueiros franceses Konaté e Upamecano, ambos tem apenas 20 anos e já demonstram que podem estar dentre os principais nomes da posição num futuro próximo. A defesa ainda conta com outros jovens interessantes, vale a pena citar o zagueiro brasileiro Luan Cândido, de apenas 18 anos, que chegou do Palmeiras e outro francês, Mukiele de 21 anos que faz a zaga e a lateral direita.

O meio possui ainda mais jovens promissores a disposição do técnico, alguns que devem ganhar espaço nessa temporada e podem se destacar são: o americano Tyler Adams (20), que tem bom passe e boa visão de jogo. Amadou Haidara (21), que chegou do outro RB, o Salzburg, para substituir Keita, e tem uma boa chegada ao ataque, condução de bola e boa finalização e Nkunku (21) que chegou do PSG, que finaliza e dribla muito bem e tem uma boa visão de jogo.

No ataque dois jogadores que podem se desenvolver muito com Nagelsmann são: o inglês Ademola Lookman (21) jogador de velocidade e drible e o brasileiro Matheus Cunha (20) que se destaca nos chutes e posicionamento.

Elenco vasto e versátil

No Leipzig, Nagelsmann terá um elenco maior, mais qualificado e que possui muitos jogadores que podem atuar em mais de uma posição e setor do campo. Como Mukiele que joga na lateral e na zaga e Nkunku e Forsberg que jogam no meio e no ataque. Isso poderá ser muito importante para Nagelsmann, pois permitirá uma grande rodagem do elenco e que o técnico possa variar as formações e táticas, caso queira, permitindo que o Leipzig dê atenção às três competições que disputa nessa temporada: Copa da Alemanha, Bundesliga e Champions League.

A chegada de Nageslmann no Leipzig representa um passo muito importante tanto para ele quanto para o clube alemão. Pois significa um salto nas pretensões e objetivos de ambos. O Leipzig possui agora um dos melhores e mais promissores técnicos do mundo e Nagelsmann está à frente de um trabalho maior, que dá a ele mais condições de colocar toda a sua qualidade em prática.

Clube e técnico possuem formas de ver o futebol e filosofias muito parecidas, isso faz o Leipzig despontar como um time que pode incomodar ainda mais os dois principais esquadrões da Bundesliga, Bayern e Dortmund, e torna possível ao clube alemão ir mais longe nas competições europeias. É um projeto que vale a pena acompanhar, por todos os aspectos envolvidos e que pode trazer anos vitoriosos para a Red Bull Arena.

Postado por Wallas Vieira Técnico em Edificações, cursando Administração. Torcedor de Flamengo e Liverpool. Fã da intensa Premier League e do tático campeonato italiano. Gosta de táticas, crônicas e número sobre o futebol.