Lágrimas no passado e foco no futuro – Paes
11 de maio de 2018

 

Apesar de extremamente difundido, o ditado “errar é humano” por vezes passa despercebido no futebol. Uma finalização ruim, um escorregão ou uma falha acabam elevadas, com muita gente esquecendo que, por trás do nome às costas da camisa, há um ser humano. No caso do goleiro, esse problema é ainda mais grave. Os erros ganham o dobro do peso. E machucam muito quem tem a coragem de calçar o par de luvas.

Naquela quarta-feira à noite, no Morumbi, a vítima da bola foi o goleiro Paes. Titular do São Caetano, o arqueiro acabou sendo surpreendido por Trellez, do São Paulo, em uma reposição de bola. O gol resultou em eliminação do Azulão, mas não abalou quem tanto trabalhou para estar ali.

Graças a Deus isso é algo que já está superado dentro de mim. Recebi apoio de toda a minha família, amigos, torcedores, as pessoas que gostam de mim e torcem pelo meu sucesso. Tenho certeza da qualidade do meu potencial e que darei muitas alegrias a essas pessoas novamente“, relembrou o goleiro.

As lágrimas já ficaram para trás.

De longa história no futebol e no São Caetano, Paes teve ajuda importante para superar a lamentação pela falha: a torcida. Ao contrário do que costuma acontecer, grande parte dos torcedores abraçou o jogador, deixando de lado qualquer crítica para o apoiar no momento difícil – alguns, é claro, foram por esse lado.

Alguns torcedores foram extremamente gentis e me mandaram mensagens de apoio, enquanto outros optaram por me ofender, já que ficaram decepcionados com a eliminação do clube. Porém, certamente ninguém ficou mais triste que eu, pois o futebol é a minha vida, é de onde tiro o sustento da minha família. Já ajudei muito o São Caetano e não será um lance que anulará tudo de bom que já fiz aqui”.

Quem também se solidarizou com o corrido foi o pentacampeão Marcos. Por meio de um programa esportivo, um dos maiores goleiros da história do país mandou um recado especial para Paes. Além do camisa 12, outros nomes da posição também conversaram com o colega de profissão.

Foi uma mensagem muito especial, até por ter vindo de um goleiro campeão mundial. Até hoje, vez por outra, vejo o vídeo, pois foi um apoio muito bacana. Vários outros jogadores da minha posição também se solidarizaram a mim, como o Jefferson, de quem sou fã, e o Helton Leite, que já foi meu companheiro de clube. Essas mensagens, sem dúvida alguma, também tiveram a sua importância“.

Sem destacar qualquer aprendizado que ficou de toda a situação, Paes só sabe de uma coisa: o lance não vai mais se repetir – ele segue treinando com muita intensidade o jogo com os pés. Com a decepção para trás, seu foco agora é o futuro, que ainda não está completamente definido – há a chance de mudar de clube ainda em 2018.

Tenho contrato com o São Caetano por mais um ano. O clube jogará a Copa Paulista, ainda nesta temporada, e caso eu permaneça pretendo ajudá-lo a conquistar esse torneio. Apareceram clubes que disputam as Série B e C interessados em mim e estou no aguardo de um possível desfecho“.

Como superar a falha?

Paes deu o caminho para Ulreich superar sua falha diante do Real.

Com a experiência de quem passou por um momento difícil, Paes agora pode se colocar no lugar de Marcos. Na semifinal da UEFA Champions League, o alemão Ulreich acabou marcado por uma grande falha diante do Real Madrid. Se pudesse dar algum conselho para o companheiro de posição, o experiente jogador do São Caetano não tem dúvidas do que diria.

“Aconselharia a não se prender demasiadamente ao lance, pois honestamente isso não traz nada de bom. Que foque nos seus objetivos maiores na carreira, como a possível convocação para a Copa, pois a vida segue. Ótimas atuações e grandes vitórias virão e ele também dará a sua volta por cima”.

Postado por Andrew Sousa Formando-se em Jornalismo justamente pela paixão pelo esporte, sente enorme prazer em poder escrever sobre o que ama. Apaixonado por um bom domínio e alguns jogadores ruins, vive o futebol desde o primeiro dos seus vinte anos.