ÍCONES ALTERNATIVOS #23 – A história não contada sobre o “vilão” de 1950
16 de abril de 2018

 

 

Tido por muitos como um dos maiores vilões de toda a história da Seleção Brasileira e autor da falha que culminou com a perda da Copa do Mundo de 1950, Barbosa até hoje (mesmo já falecido) carrega o fardo daquele fatídico dia no Maracanã. Atuando em uma das posições mais ingratas do esporte, a de goleiro, o jogador ficou marcado nos livros.

A razão pela qual hoje falaremos dele é simples e necessária: as pessoas precisam entender o grande goleiro que ele foi.

Barbosa, por incrível que pareça, começou sua carreira jogando de ponta esquerda, começando a atuar no gol apenas por volta dos seus 20 anos, no Ypiranga-SP. O arqueiro chegou ao Vasco em 1945, porém, só conseguiu assumir o posto de goleiro titular no ano seguinte. Coincidência ou não, o clube carioca começava a montar um esquadrão que seria lembrado até hoje pelos torcedores cruzmaltinos, o tão famoso “Expresso da Vitória”.

Foram, ao todo, seis campeonatos cariocas (um dos títulos mais importantes do país naquela época) e um Sul-Americano dos campeões, o famigerado torneio que deu origem a atual Libertadores da América, além de um Rio-SP. Em todas estas glórias honrosas, estava Barbosa com a camisa 1, defendendo a meta vascaína.

A imagem pode conter: 8 pessoas, atividades ao ar livre

Um esquadrão para a história.

Barbosa, segundo relatos de jornalistas e entusiastas da época, era um goleiro que se destacava pela sua elasticidade, crescia para cima dos atacantes e era capaz de fazer verdadeiros milagres. Os relatos só se confirmam ao olharmos o ranking feito pela Federação Internacional de Histórias e Estatística do Futebol (IFHS), que o coloca como o terceiro maior goleiro brasileiro do século 20.

Não falaremos sobre o fatídico evento que acabou se tornando o clímax da sua carreira, pois disso, todos já estão cansados de saber. Vale apenas lembrar que pela Seleção Brasileira, o arqueiro foi campeão da Copa América de 1949 e que após o Maracanazzo, ainda atuou mais uma vez com a amarelinha, em 1953.

Após encerrar a carreira em 1962, o agora ex-goleiro deu diversas entrevistas relatando o peso que estava sendo carregar toda a antipatia de um povo por conta de um lance. Mesmo que, dentro do Vasco da Gama, nunca tivesse havido dúvidas de que Barbosa é uma lenda eterna da rica história do clube.

Moacyr, como era seu primeiro nome, passou por diversas dificuldade financeiras no final dos anos 90 após o falecimento de sua esposa (foi inclusive ajudado monetariamente pelo Vasco) e acabou morrendo em 2000, aos 79 anos, vítima de insuficiência respiratória.

Estátua Barbosa Vasco (Foto: Facebook)

Uma bela homenagem feita ao goleiro.

Em meio a diversas homenagens espalhadas pelo Brasil, Laércio Alves construiu uma estátua de arame com alumínio do goleiro, o monumento se encontra em Santos-SP e ostenta uma pomposa faixa de campeão sul americano invicto. Barbosa faria 99 anos no último dia 27 de março, fica aqui a homenagem do 4-3-3 para este ícone talvez nem tão alternativo assim.

Postado por Renan Castro 23 anos, administrador, torcedor do Flamengo, natural de Nova Iguaçu - RJ, fã de aviação e dono de três quadros: Vestindo o Futebol, Ícones Alternativos e Memória FC.