Fora do Eixo #5: Curaçao
17 de julho de 2019
Categoria: 4-3-3

 

Após algum tempo inativo, o Fora do Eixo retoma suas atividades com uma pausa em Curaçao, pequena ilha no Caribe.

Grande produtora de cana-de-açúcar no século XVII, a ilha que pertencia as Antilhas Holandesas até 2010 foi uma das responsáveis pela falência da produção de cana no Nordeste, uma vez que os financiadores do comercio açucareiro no Brasil migraram para as ilhas caribenhas após a expulsão dos holandeses de Recife em 1645. Atualmente com 160 mil habitantes, o território insular sobrevive exclusivamente com o dinheiro do turismo.

A história do futebol no país tem início em 1921, com a criação da Federação de Futebol de Curaçao (Federashon Futbol Korsou, FFK), juntamente com a liga, disputada em pontos corridos.

Sem muitos avanços no campeonato e no futebol local, em 05 de setembro de 1958 foi anunciada a União de Futebol das Antilhas Holandesas (NAVU), uma fusão das federações de Aruba (até 1986), Bonaire e Curaçao. A NAVU foi prontamente filiada a FIFA e três anos mais tarde ajudou na criação da CONCACAF.

A partir de 1960, os primeiros colocados das três nações que compunham a União das Antilhas passaram a disputar a Kopa Antiano, para definir o grande campeão das Antilhas Holandesas. Realizado até 2010, os clubes de Curaçao foram batidos apenas duas vezes. A primeira delas em 1965, pelo Racing de Aruba, e em 1970 pelo Estrella, também de Aruba. Durante os cinquenta anos de torneio, o maior campeão foi o CRKSV Jong Colômbia com doze conquistas.

Mesmo soberano na Kopa Antiano, o Jong Colômbia é apenas o terceiro maior campeão da Liga de Curaçao. Com onze taças, o clube da capital não vence o campeonato desde 2000. O maior vencedor é o SUBT com vinte títulos – última em 1985 – seguido pelo Jong Holland com catorze. Atualmente o grande destaque da liga é o Centro Dominguito, time com maior investimento e detentor de seis taças, sendo cinco desde 2012.

Modelo de disputa:

Com um dos regulamentos mais exóticos do mundo, a Promé Divishon se inicia com dez equipes que jogam em turno e returno. Passados os dezoito jogos, as seis primeiras colocadas disputam outra fase de dois turnos, onde os quatro melhores se elevam para o quadrangular final. O primeiro e o segundo colocado do quadrangular disputam em jogo único a grande final. Vale ressaltar que o lanterna da primeira fase joga um playoff com o campeão da divisão de acesso valendo a última vaga da elite para a próxima temporada.

Diferente de quase todas as federações, Curaçao não possui uma copa disputada em mata-mata. O campeão e o vice da Promé Divishon se classificam para a qualificação do Campeonato de Clubes do Caribe, que decide o representante caribenho na Champions League da CONCACAF.

Localização dos clubes que disputaram a última temporada da liga.

Seleção:

Como dito anteriormente, a Federação de Futebol de Curaçao (FFK), foi fundada em 1921 e se filiou a FIFA em 1932. Entretanto, durante os anos de 1932 a 1954 não chegou sequer a disputar as eliminatórias para a Copa do Mundo. Após a criação da NAVU, a seleção passou a disputar torneios, entretanto nunca obteve nenhum resultado minimamente expressivo. O primeiro treinador a dirigir a seleção como Antilhas Holandesas foi o brasileiro Pedro Celestino da Cunha, entre os anos de 1957 a 1965.

Fim das Antilhas e o (re)início de Curaçao:

Em 2010, após o fim das Antilhas Holandesas, a NAVU foi consequentemente encerrada. Com a dissolução, Bonaire e Curaçao tomaram caminhos independentes na história, política e no futebol. Vale dizer que Curaçao acabou sendo reconhecida como a sucessora da seleção das Antilhas, herdando o histórico de partidas e posição no ranking da FIFA – processo similar ao que aconteceu com a Sérvia, que foi a sucessora da Iugoslávia, e a Rússia, com a União Soviética.

Agora como membra da FIFA sem nenhum agregado, a seleção participou do seu primeiro torneio em 2012, com a disputa da Copa do Caribe. Ao lado de Guiana, Santa Lúcia, além de São Vicente e Granadinas, a equipe do argentino Manuel Bilches saiu zerada da competição.

2015 – Avanços com Kluivert:

No dia 05 de março de 2015, a FFK anunciou em nota a contratação do ídolo holandês Patrick Kluivert para assumir o banco de reservas da seleção. Com um projeto audacioso de expansão e investimento, nada melhor do que o craque holandês.

Naturalizando uma serie de jogadores que possuem ascendência em Curaçao, a seleção passou por um enorme processo de renovação. Atletas como Cuco Martina (hoje no Everton/ING) e Leandro Bacuna (hoje no Cardiff City/WAL) passaram a integrar o plantel e consequentemente aumentaram o nível da seleção.

Nas mãos de Kluivert, a equipe atingiu grandes voos, chegando inclusive na terceira fase das eliminatórias da CONCACAF para a Copa da Rússia, eliminando Cuba, que na época estava mais de sessenta posições a frente no ranking da FIFA.

Para ler mais e entender a fundo o trabalho e o legado do holandês na seleção, deixamos aqui o link do texto que o colunista Bernardo Dornela publicou em 2018.  http://www.blog433.com.br/o-trabalho-e-o-legado-de-kluivert-na-selecao-de-curacao/

A estreia de Kluivert no comando da seleção

Depois da saída de Patrick para a base do Ajax, o trabalho obteve sequência com seu assistente técnico e foi coroado com o inédito título da Copa do Caribe de 2017, vencida diante da forte Jamaica, e consequentemente garantindo uma vaga para a Copa Ouro de 2017, que reúne as melhores seleções da Concacaf.

Mesmo sem pontuar no difícil grupo com México, Jamaica e El Salvador, o avanço era extremamente nítido para uma seleção teoricamente nova e ainda em construção.

Recentemente em junho de 2019, Curaçao participou novamente da Copa Ouro e obteve grande destaque. Segunda colocada no grupo C com Jamaica, El Salvador e Honduras, perdeu apenas nas quartas de finais para o anfitrião e vice-campeão Estados Unidos.

O trabalho no futebol da pequena ilha vem evoluindo, e já conta com diversos jogadores atuando nas divisões de elite nos campeonatos europeus – principalmente na Holanda. Se o trabalho continuar nesse ritmo e com os investimentos nas categorias de base continuarem a serem feitos, a seleção de Curaçao (79º no ranking FIFA) pode pintar futuramente em uma Copa do Mundo.

Postado por André Galassi Natural de São Carlos, SP. Admirador de futebol alternativo, futebol inglês e principalmente futebol brasileiro. Torce para o Palmeiras e para o São Carlos FC.