Como a contratação de Dani Ceballos pode contribuir com o desempenho de Aubameyang no Arsenal
16 de agosto de 2019
Categoria: 4-3-3 e Futebol e Internacional

(Montagem/Blog 4-3-3)

Após o término da janela de transferências para a temporada 2019/2020 na Inglaterra, a contratação mais comentada no norte de Londres foi com certeza a de Nicolás Pépé. O marfinense, que marcou 23 gols e deu 12 assistências nos 41 jogos que disputou na temporada passada, foi comprado por 80 milhões de euros para ser a solução para a antiga lacuna presente na ponta direita do Arsenal.

Porém, é uma outra contratação do clube londrino que promete mudar a cara do time e o estilo de jogo do Arsenal: a de Dani Ceballos. E mais, pode contribuir com o desempenho de Aubameyang, o artilheiro da equipe em 18/19. Para explicar como isso pode acontecer, é necessário voltar à última temporada.

 

A imagem acima mostra como era o Arsenal na temporada passada quando tinha a bola. Jogando em um 4-2-3-1, a equipe sofria com a ausência de um ponta de ofício, tendo que usar Mkhitaryan (um meia) na direita e Aubameyang (um atacante que costumava jogar mais centralizado) na esquerda. E, mesmo muitas vezes preso ao lado do campo, o gabonês conseguiu ser o artilheiro da equipe com 22 gols em 36 partidas na Premier League.

Porém, o que mais prejudicava o atacante nesse esquema era a parte defensiva. Como Özil não contribuía com a marcação, a equipe dependia de Auba na fase sem bola, marcando o lateral adversário. Isso cansava o jogador e o prendia de vez ao flanco do campo, onde não é sua posição de origem. Esse processo fica bem representado no campinho abaixo.

 

Dessa maneira, o principal goleador da equipe era prejudicado pelas obrigações defensivas e pela falta de comprometimento do meia alemão quando os gunners não tinham a bola. Mas o que muda nesse quadro com a chegada de Ceballos?

Por suas características, o meia espanhol pode agregar uma versatilidade que falta na equipe. O Arsenal não tinha, até a sua contratação, um meia que, além de auxiliar na parte defensiva, contribuísse com a criação. E é exatamente isso que Ceballos tem de melhor para oferecer. Com o ex-jogador do Real Madrid ao lado de Xhaka e Torreira, Unai Emery pode escalar um meio campo ao mesmo tempo forte, habilidoso e dinâmico; que participe ativamente com e sem a bola.

 

Mas como essa mudança de esquema pode influenciar o jogo de Aubameyang? Bem, com essa polivalência do meio campo, o atacante pode ter mais liberdade para circular e se aproximar de Lacazette. Dessa maneira, o Arsenal, além de ganhar uma trinca de meias mais dinâmica, consegue deixar seu principal artilheiro mais próximo da meta adversária.

As opções do técnico Unai Emery para compor o meio campo do Arsenal. Maitland-Niles, que tem sido usado como lateral, também pode atuar no setor.

 

Quanto à fase sem bola, o gabonês também é beneficiado. O fato de Ceballos poder atuar tanto aberto quanto centralizado diminui consideravelmente as obrigações defensivas do atacante, como se pode observar no campinho abaixo.

 

Dessa maneira, Auba não precisa se desgastar tanto na marcação do lateral adversário, e se torna uma válvula de escape ainda mais importante no contra-ataque, podendo fazer uso de sua velocidade da melhor maneira possível.

A janela que no começo não parecia guardar grandes surpresas para os torcedores do Arsenal, acabou sendo extremamente positiva aos gunners. Além de Pépé e Ceballos, a equipe contratou o lateral escocês Tierney, os brasileiros David Luiz e Martinelli e o zagueiro francês Saliba, que chegará ao clube apenas na temporada 2020/2021.

Com um elenco mais recheado e completo do que o da última temporada, possibilitando ao treinador a adoção de diferentes esquemas e estilos de jogo, os comandados de Emery têm a missão de voltar à Champions League, torneio que o Arsenal não disputa desde a temporada 2016/17, penúltima de Arsène Wenger no comando da equipe londrina.

Postado por Leonardo Suzuki 18 anos, estudante de jornalismo. Apaixonado pelo Palmeiras desde que nasceu e pelo Arsenal desde que viu pela primeira vez uma tabela entre Henry e Bergkamp. Twitter: @leosuzuki_