Bom começo e esperanças renovadas
9 de outubro de 2018
Categoria: Futebol e Internacional

 

O principal destaque do ataque do Borussia Mönchengladbach nos últimos anos tem sido o brasileiro Raffael. Versátil, muito técnico e inteligente, o jogador já desempenhou diversas funções no ataque alvinegro ao longo das temporadas – desde meia armador centralizado, até ponta e centroavante, posição essa que ele atuou com bastante frequência e indo muito bem. Na última temporada mesmo, segundo o Transfermarkt, foram 21 jogos nessa função. Porém, o camisa 11 já está com 33 anos e a busca de um homem gol fazia-se necessária por parte da diretoria dos Potros. Eles foram atrás do francês Alassane Pléa do Nice e a escolha vem mostrando ser acertada.

Das últimas cinco temporadas, a última foi a que Raffael esteve menos envolvido diretamente nos gols da equipe, com 13 participações (10 gols e três assistências). Com essa indicação de uma possível queda de rendimento do brasileiro, e com Stindl, principal opção a Raffael, indo pouco as redes (apenas seis gols na Bundesliga) era necessário trazer mais uma opção para o técnico Dieter Hecking. O escolhido veio do Nice por 23 milhões de euros, após fazer um excelente 2017/2018, quando marcou 21 gols em 49 partidas.

A fase de Pléa no time francês foi tão boa que, segundo a Skysports, ele despertou o interesse de vários clubes além do M’gladbach, como o Newcastle, que chegou a abrir negociações com ele, o Tottenham e o West Ham, que ofereceu £27 milhões.

E o começo do atacante francês é animador para os torcedores do clube alvinegro: são 8 gols em oito partidas disputadas na temporada. Na Bundesliga são cinco tentos e uma assistência em sete jogos – ele só não participou diretamente de algum gol da equipe na primeira rodada, na vitória sobre o Leverkusen, onde ele jogou apenas 11 minutos. Cada gol foi marcado em uma partida diferente, mostrando sua importância para os resultados da equipe conseguidos até o momento, tendo balançado as redes, inclusive, na grandiosa vitória contra o Bayern, em Munique. Vitória que colocou a equipe de Hecking na vice liderança da Bundesliga, ao lado de outras três equipes.

Nem o Bayern escapou do atacante.

Pléa é um 9 de mobilidade, até por isso consegue atuar também pelos lados do campo. Mesmo móvel, é muito bom na finalização de fora da área, no drible curto e também consegue se virar no drible em velocidade, tem bom passe e lê bem o jogo. E essas características permitem com que ele saia mais da área e contribua na armação das jogadas da equipe.

Com o retorno de Stindl, que estava lesionado, Hecking ganha opções para variar a equipe, como aconteceu no confronto contra o Bayern, onde Pléa atuou aberto pela esquerda, função que ele fez muito no Nice. Com a adição de Pléa ao plantel, os Potros esperam conseguir voltar às competições europeias nesta temporada e o início da caminhada dá esperança aos torcedores de que a equipe consiga isso.

Postado por Wallas Vieira Técnico em Edificações, cursando Administração. Torcedor de Flamengo e Liverpool. Fã da intensa Premier League e do tático campeonato italiano. Gosta de táticas, crônicas e número sobre o futebol.