Baiano – Bahia de Feira
27 de janeiro de 2013
Categoria: 4-3-3

A Associação Desportiva Bahia de Feira, de 79
anos, foi o último time do interior a se sagrar campeão, no ano de 2011, quando venceu o estadual pela primeira vez em sua história. É uma das duas equipes que vão representar a cidade de Feira de
Santana, ao lado do Fluminense, seu maior rival. 

Após o título de 2011, o Tremendão estagnou e não teve muito destaque nos campeonatos
estaduais seguintes, sempre no meio da tábua de classificação. O único destaque depois da sua maior glória ocorreu em 2013, quando conquistou a Copa Governador do Estado. Em 2015 e 2016 chegou até as quartas de final do Baiano, perdendo para Vitória da Conquista e Bahia, respectivamente.

Para 2017 a equipe buscou nomes
fora do estado, para conquistar o brilho perdido. O volante Call, ex-ASA de
Arapiraca, o zagueiro Jair ex-BOA e o meia Dio, ex-Mato Grosso, além do empréstimo
do volante Gallo, do Vitória. Porém, o sinal de alerta foi ligado
para os cangaceiros antes mesmo do começo do estadual com as derrotas nos
amistosos contra o Juazeirense por 3×1 e pro Fluminense de Feira por 1×0.

Time
que jogou o último amistoso contra o Fluminense de Feira
A equipe base na pré temporada do
treinador Jaelson Marcelino foi um clássico 4-4-2 de: Rudi; Chiquinho,
Joni, Jair e Ivan; Cal, Gallo, Bruninho e Dio; Marclei e Igor.

Além do título da divisão principal, vencido em 2011, o Cangaceiro também conquistou a Segunda Divisão do estado por 3 vezes, nos anos de 1982, 1986 e 2009. Sua primeira e única participação na Série D ocorreu em 2011, quando chegou até as oitavas de final, não conseguindo o acesso. Faz parte da maior rivalidade do interior do estado, com o tradicional Fluminense de Feira. Os clássicos da cidade sempre têm clima pesado, e uma verdadeira guerra em campo.

A estreia do Tremendo ocorre no domingo dia 29, fora de casa, às 16 horas, contra o Vitória da Conquista, no estádio Lomanto Júnior.
Postado por Earvin Caetano 23 anos, baiano de Bom Jesus da Lapa oeste do estado da Bahia, começou a olhar o futebol e refletir sobre ele quando viu que sozinho não ganharia no grito.